Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

Posts com a tag: em-portugues

As flautas do Céu

2019-07-07 02:25 -0300. Tags: philosophy, translation, em-portugues

Esses dias eu traduzi uma passagem do Zhuangzi (a primeira história do segundo capítulo), combinando elementos de diversas traduções para o inglês. Posto-a aqui para a posteridade.

Zi-Qi da Fronteira Sul estava sentado, debruçado sobre sua mesa baixa. Olhou para o céu e exalou lentamente – ausente e distante, como se tivesse perdido sua companhia. Yan Cheng Zi-You, que aguardava de pé diante dele, perguntou: "O que é isso? Pode o corpo tornar-se como madeira seca? Pode a mente tornar-se como cinzas extinguidas? O homem debruçado sobre a mesa agora não é aquele que estava debruçado antes!"

Zi-Qi disse: "Fazes bem em perguntar, Yan. Eu acabo de perder a mim mesmo. Entendes isso? Podes ter ouvido as flautas dos homens, mas não ouviste as flautas da Terra; podes ter ouvido as flautas da Terra, mas não ouviste as flautas do Céu."

Zi-You disse: "Aventuro-me a perguntar o significado disto."

Zi-Qi disse: "A Grande Massa [da natureza] emite um sopro vital, e seu nome é vento. Se ele não sopra, nada acontece; mas quando ele sopra, então as dez mil fendas ressoam ferozmente. Já não o ouviste soprar e soprar? Na floresta de uma montanha que se agita e chacoalha, há imensas árvores de cem palmos de largura com cavidades e aberturas, como narizes, como bocas, como ouvidos, como jarros, como copos, como vasos, como fissuras, como sulcos. O vento que sopra nelas ruge como ondas, assovia como flechas, berra, suspira, grita, ronca, geme, uiva. O vento à frente canta "yiii", o vento que segue canta "wuuu". Uma brisa leve produz uma pequena resposta; um vendaval produz uma grande resposta. E quando a ventania se acalma, a multidão de fendas torna-se vazia. Já não viste esse sacudir, esse chacoalhar?"

Zi-You disse: "As flautas da Terra são estas que acabaste de descrever; as flautas dos homens são tubos de bambu dispostos lado a lado. Aventuro-me a perguntar sobre as flautas do Céu."

Zi-Qi disse: "Os sons do sopro sobre as dez mil coisas são diferentes, mas ele apenas traz à tona as propensões naturais das próprias coisas, cada uma tomando para si o que lhe é apropriado; quem é que as sopra?"

Comentários / Comments

Português ou English?

2019-04-15 00:36 -0300. Tags: about, in-english, em-portugues

[This post is also available in English.]

Faz alguns anos que eu comecei a postar algumas coisas em inglês neste blog. Inicialmente, os posts em inglês eram limitados primariamanete a tópicos em que eu julgava que seria mais útil escrever para uma audiência internacional, especialmente os posts sobre Lisp e design de linguagens de programação. De uns tempos para cá, entretanto, os posts em inglês têm sido maioria – em parte porque o tópico principal do blog ultimamente tem sido Lisp e design de linguagens de programação, mas eu tenho escrito uma porção de posts sobre outros tópicos em inglês também.

De uns tempos para cá eu vejo nos logs do blog acessos regulares de outros países (incluindo de clientes de RSS, i.e., leitores regulares). Eu me pergunto: seria o caso de 'oficialmente' passar a postar primariamente em inglês? É uma questão complicada. Por um lado, creio que os meus leitores regulares do Brasil (os que eu conheço, anyway) lêem em inglês sem problemas. Por outro lado, eu posso acabar deixando de atingir leitores em potencial que não saibam inglês mas que se interessariam pelo blog. (Eu também posso ter leitores regulares que eu não conheço e que só lêem em português.)

No final das contas, eu vou continuar publicando em ambas as línguas, com a escolha dependendo do tópico. A dúvida é em que língua publicar quando se tratam de posts pessoais, ou sobre assuntos em que eu não vejo uma clara vantagem de publicar em uma língua ou outra. Uma possibilidade é escrever tudo em ambas as línguas, mas isso produz uma fadiga que eu gostaria de evitar. (Uma vantagem de escrever em português é a quantidade de referências não-traduzíveis que eu posso espalhar nos textos.)

Assim, pergunto a vós, queridos leitouros e leitouras: em que língua preferis que eu escreva? Deixe sua opinião nos comentários, e vamos ver no que isso dá.

[English version follows.]

It's been a few years since I started writing some posts in English in this blog. Initially, the posts in English were limited primarily to topics where I judged it would be more useful to write to an international audience, especially posts about Lisp and programming language design. For a while now, however, most of the recent posts have been in English – in part because the main topic of of the blog as of late has been Lisp and programming language design, but I have been writing about other topics in English too.

Lately I have been observing regular accesses from other countries in the blog logs (including from RSS clients, i.e., regular readers). I wonder: might it be the case to start 'officially' posting primarily in English? It's a complicated matter. On the one hand, I believe my regular Brazilian readers (the ones I know anyway) can read English too. On the other hand, I may end up leaving out some potential readers who don't know English but would find the blog interesting. (I may also have regular readers I don't know who can only read Portuguese, but that does not seem likely.)

In the end, I will keep publishing in both languages, choosing language according to the topic. The question is which language to use in personal posts, or posts on subjects where I don't see a clear advantage of publishing in one language or the other. One possibility is to write everything in both languages, but that's a bit more work than I would like to have.

So I ask of ye, dear readers: which language do you prefer me to write in? Leave your opinion in the comments, and let's see how it goes.

3 comentários / comments

O que é uma macro e por que diabos eu usaria uma?

2019-03-23 22:21 -0300. Tags: comp, prog, lisp, hel, fenius, em-portugues

No último post, eu divaguei um pouco sobre a implementação de macros em Hel, minha linguagem de programação experimental. Neste post, pretendo explicar para um público não-Líspico o que são macros e como elas podem ser úteis. /

Árvores

Quando escrevemos uma expressão do tipo 2+3 em um programa, o compilador/interpretador da nossa linguagem de programação tipicamente converte essa expressão em uma estrutura de dados, chamada árvore de sintaxe abstrata (AST, em inglês), representando as operações a serem realizadas. Em Hel, o operador quote permite visualizar a AST de uma expressão:

hel> quote(2+3)
Call(Identifier(`+`), [Constant(2), Constant(3)])

Neste exemplo, a AST representa uma chamada ao operador +, com as duas constantes como argumento. Podemos manipular a AST para obter seus componentes individuais:

hel> let ast = quote(2+3)
Call(Identifier(`+`), [Constant(2), Constant(3)])
hel> ast.head
Identifier(`+`)
hel> ast.arguments
[Constant(2), Constant(3)]
hel> ast.arguments[0]
Constant(2)
hel> ast.arguments[1]
Constant(3)

Também podemos construir uma AST diretamente, chamando os construtores Identifier, Call, etc. manualmente ao invés de obter uma AST pronta com quote(). Assim, podemos escrever código que manipula ou gera novas ASTs, possivelmente utilizando componentes de uma AST já existente.

Agora, quando chamamos uma função, ela atua sobre o resultado dos seus argumentos, e não sobre a AST dos argumentos. Por exemplo, se eu definir uma função:

let f(x) = x

e a chamar como f(2+3), o valor de x dentro da função será 5, e não uma AST da expressão 2+3. Do ponto de vista da função, não há como saber se ela foi chamada como f(5) ou f(2+3) ou f(7-2): o valor de x será o mesmo. E se fosse possível escrever uma função que trabalhasse diretamente sobre a AST de seus argumentos? E se eu pudesse fazer transformações sobre essa AST, produzindo uma expressão diferente a ser calculada (por exemplo, alterando o significado de certos operadores ou palavras que apareçam na expressão)?

Pois é basicamente isso que é uma macro. Uma macro é uma função especial que, ao ser chamada, recebe como argumento a AST inteira da chamada, produz como resultado uma AST alternativa, que será usada pelo compilador/interpretador no lugar da AST original.

Mas pra que serve?

Em muitas linguagens, existe um comando for ou foreach para iterar sobre os elementos de uma lista. Em Python, por exemplo:

for x in [1, 2, 3]:
    print(x)

Você, programador Hel, olha para esse comando e pensa "puxa, que legal!". Infelizmente, porém, (ainda) não existe um comando análogo em Hel. Porém, nós sabemos que (1) um for nada mais é do que uma repetição mudando o valor da variável a cada iteração; (2) podemos escrever uma função que implementa essa repetição; e (3) podemos escrever uma macro que transforma uma expressão do tipo for var in list { ... } em uma chamada de função correspondente. Vamos ver como isso funciona.

1º passo: a função

Nossa linguagem atualmente não conta com nenhum comando de repetição especializado. Porém, podemos escrever uma função recursiva que recebe uma lista e uma função a aplicar e, se a lista não for vazia, aplica a função ao primeiro elemento da lista e chama a si própria sobre o resto da lista, repetindo assim a operação até que só sobre a lista vazia.

let foreach(items, f) = {
    if items != [] {            # Se a lista não for vazia...
        f(items.first)          # Aplica a função ao primeiro elemento
        foreach(items.rest, f)  # E repete para o resto da lista.
    }
}

Agora podemos chamar essa função com uma lista e uma função pré-existente para aplicar a cada elemento:

hel> foreach([1, 2, 3], print)
1
2
3

Ou podemos chamá-la com uma função anônima:

hel> foreach([1, 2, 3], fn (x) { print("Contemplando elemento ", x) })
Contemplando elemento 1
Contemplando elemento 2
Contemplando elemento 3

2º passo: a transformação

[Update (30/05/2019): O código desta seção está obsoleto. Há uma maneira muito mais simples de realizar a transformação descrita aqui nas versões mais recentes da linguagem.]

Agora o que gostaríamos é de poder escrever:

for x in [1, 2, 3] { print("Contemplando elemento ", x) }

ao invés de:

foreach([1, 2, 3], fn (x) { print("Contemplando elemento ", x) })

Para isso, vamos analisar a AST de cada uma das expressões e ver como podemos transformar uma na outra. Começando pela expressão pré-transformação:

hel> let source = quote(for var in list body)
Phrase([Identifier(`for`), Identifier(`var`), Identifier(`in`), Identifier(`list`), Identifier(`body`)])

A expressão consiste de uma frase com uma lista de constituintes. Os constituintes que nos interessam aqui são a variável de iteração (constituinte 1, contando do zero), a lista sobre a qual iterar (constituinte 3), e o corpo (constituinte 4):

hel> source.constituents[1]
Identifier(`var`)
hel> source.constituents[3]
Identifier(`list`)
hel> source.constituents[4]
Identifier(`body`)

Agora vamos analisar a expressão que queremos como resultado da transformação:

hel> let target = quote(foreach(list, fn (var) body))
Call(Identifier(`foreach`), [Identifier(`list`), Phrase([Identifier(`fn`), Identifier(`var`), Identifier(`body`)])])

Com isso, podemos escrever uma função que recebe uma AST da expressão origem e produz uma similar à expressão destino, porém substituindo Identifier(`list`), Identifier(`var`) e Identifier(`body`) pelos componentes extraídos da AST origem:

let for_transformer(source) = {
    # Extraímos os componentes:
    let var = source.constituents[1]
    let list = source.constituents[3]
    let body = source.constituents[4]

    # E produzimos uma expressão transformada:
    Call(Identifier(`foreach`), [list, Phrase([Identifier(`fn`), var, body])])
}

Será que funciona?

hel> for_transformer(Phrase([Identifier(`for`), Identifier(`var`), Identifier(`in`), Identifier(`list`), Identifier(`body`)]))
Call(Identifier(`foreach`), [Identifier(`list`), Phrase([Identifier(`fn`), Identifier(`var`), Identifier(`body`)])])

Parece um sucesso.

3º passo: A macro

Agora só falta definir for como uma macro, pondo a nossa função for_transformer como o transformador de sintaxe associado à macro:

hel> let for = Macro(for_transformer)

E, finalmente, podemos usar nossa macro:

hel> for x in [1, 2, 3] { print("Eis o ", x) }
Eis o 1
Eis o 2
Eis o 3

E não é que funciona? Ao se deparar com o for, o interpretador identifica que trata-se de uma macro, e chama o transformador associado para converter a AST em uma nova AST. No nosso caso, o transformador monta uma AST correspondente a uma chamada a foreach, com uma função anônima cujo argumento é a variável de iteração e cujo corpo é o corpo do for. A AST resultante é então executada pelo interpretador, que chama a função foreach, que itera sobre cada elemento da lista chamando a função anônima gerada, imprimindo assim galhardamente os elementos da lista.

Conclusão

Macros nos permitem adicionar novas construções à linguagem, através de funções que transformam a AST das novas construções em ASTs de construções já existentes. É basicamente uma maneira de ensinar ao compilador/interpretador como interpretar novas construções em termos das que ele já conhece.

Na versão atual de Hel, é necessário manipular e construir as ASTs manualmente. O ideal seria ter um mecanismo para facilitar a extração de componentes e construção de novas ASTs sem ter que obter e construir cada nodo individual... mas um dia chegamos lá.

Comentários / Comments

Trivia etymologica #4: puxar, push, empurrar

2019-02-08 01:27 -0200. Tags: lang, etymology, em-portugues

Pois já fazia um tempo que eu andava intrigado com as palavras puxar, push e empurrar:

[Imagem: Instruções de saída de emergência de ônibus. Português: 'Saída de emergência: Puxe a alavanca e empurre a janela'. Espanhol: 'Salida de emergencia: Tire y empuje la ventana'. Inglês: 'Emergency exit: Pull down the lever and push the window'.]

A fonte de todo o questionamento

Pois acontece, imaginem vocês, que todas essas palavras são cognatas.

puxar vem do latim pulso, pulsare, que significa, entre outras coisas, "empurrar". (Da mesma raiz derivam também impulso, expulso, propulsão, repulsa, além de, obviamente, pulsar.) Em algum momento, a palavra inverteu de sentido até chegar no português; quando e como isso aconteceu fica sugerido como exercício para o leitor. A mesma palavra dá origem em espanhol à palavra pujar, que significa "fazer esforço, empurrar", entre outros sentidos.

De impulso, impulsare (in + pulsare) deriva a palavra empujar em espanhol. Aparentemente a palavra empuxar também existe em português, de onde deriva empuxo, com o signficado original de algo que empurra. Não contente com o vocábulo nativo, entretanto, o português posteriormente importa o empujar do espanhol como empurrar.

Finalmente, push é derivado do francês medieval pousser, do francês antigo poulser, do latim pulsare. Assim, embora push e puxar possam ser falsos amigos, elas são tecnicamente cognatos verdadeiros, sendo puxar talvez o irmão gêmeo maligno da família.

1 comentário / comment

I am chaos, and I tell you that you are free

2018-12-19 00:16 -0200. Tags: random, life, mind, em-portugues

[…] This was on the fifth night, and when they slept that night each had a vivid dream of a splendid woman whose eyes were as soft as feather and as deep as eternity itself, and whose body was the spectacular dance of atoms and universes. Pyrotechnics of pure energy formed her flowing hair, and rainbows manifested and dissolved as she spoke in a warm and gentle voice:

I have come to tell you that you are free. Many ages ago, My consciousness left man, that he might develop himself. I return to find this development approaching completion, but hindered by fear and by misunderstanding.

You have built for yourselves psychic suits of armor, and clad in them, your vision is restricted, your movements are clumsy and painful, your skin is bruised, and your spirit is broiled in the sun.

I am chaos. I am the substance from which your artists and scientists build rhythms. I am the spirit with which your children and clowns laugh in happy anarchy. I am chaos. I am alive, and I tell you that you are free.

Principia Discordia, pages 00008-00009.

Comentários / Comments

Remember what I told you / If they hated me they will hate you

2018-10-08 21:39 -0300. Tags: music, politics, life, mind, em-portugues

Faz uns dias que essa música anda na minha cabeça (letra, tradução).

I'll just leave this here.

Comentários / Comments

~vbuaraujo será desativado, atualize seus links

2018-05-22 18:24 -0300. Tags: about, em-portugues

Leitouros e leitouras,

Assim como eu me livrei da UFRGS, a UFRGS se livrou de mim, e nas próximas semanas a minha página pessoal antiga (inf.ufrgs.br/~vbuaraujo) deixará de funcionar.

Peço humildemente àqueles que têm links para este blog que os atualizem para o endereço atual (https://elmord.org/blog/).

Meu e-mail da INF seguirá funcionando (ou assim me hão prometido).

Awey.

Comentários / Comments

(finish-output mestrado)

2018-01-30 22:27 -0200. Tags: life, academia, mestrado, em-portugues

Gandalf: "Excellent work, Frodo. You defeated Sauron and now... hm! Now everyone can have happy lives forever. Thanks to you."

Frodo: "I know. I just wish... I could forget."

The Lord Of The Rings (1944)flyingmoose.org

Leitouros e leitouras,

Pous que o infindável mestrado findou-se. Ainda falta a homologação da secretaria e da comissão da pós (e é por isso que é um finish-output e não um close), mas, tendo recebido o joinha da banca, orientadores e biblioteca, creio que só o que me resta agora é começar a rodar o garbage collector mental para desentupir o cérebro, e fazer a dança da vitória.

A monografia, para quem (insanamente) quiser ver, está aqui.

11 comentários / comments

Resolução de ano novo

2018-01-01 22:55 -0200. Tags: life, mind, about, em-portugues

Eu não sou muito fã de resoluções de ano novo, por uma variedade de motivos, mas como resolução tentativa de ano novo eu escolho a seguinte:

Preocupar-se com as coisas que importam, e não se preocupar com as coisas que não importam.

Obviamente, o que importa e o que não importa é inteiramente subjetivo. Mas isso não importa.

Desejo a todos um feliz ano novo, e espero em breve voltar a escrever mais por aqui.

1 comentário / comment

Trivia etymologica #3: -ães, -ãos, -ões

2017-08-17 13:29 -0300. Tags: lang, etymology, em-portugues

Em português, palavras terminadas em -ão têm três possíveis terminações de plural diferentes: -ães (cão → cães), -ãos (mão → mãos) e -ões (leão → leões).

Como é que pode isso?

Esse é mais um caso em que olhar para o espanhol pode nos dar uma idéia melhor do que está acontecendo. Vamos pegar algumas palavras representativas de cada grupo e ver como se comportam os equivalentes em espanhol:

Singular Plural
Português Espanhol Português Espanhol
-ães cão can cães canes
capitão capitán capitães capitanes
alemão alemán alemães alemanes
-ãos mão mano mãos manos
irmão hermano irmãos hermanos
cidadão ciudadano cidadãos ciudadanos
-ões leão león leões leones
nação nación nações naciones
leão león leões leones

O que nós observamos é que em espanhol, cada grupo de palavras tem uma terminação diferente tanto no singular (-án, -ano, -ón) quanto no plural (-anes, -anos, -ones), enquanto em português, todas têm a mesma terminação no singular (-ão), mas terminações distintas no plural (-ães, -ãos, -ões). A relação entre as terminações no plural em espanhol* e português é bem direta: o português perdeu o n entre vogais (como já vimos acontecer no episódio anterior), mas antes de sair de cena o n nasalizou a vogal anterior, i.e, anes → ães, anos → ãos, ones → ões.

Já no singular, as três terminações se fundiram em português. O que provavelmente aconteceu (e eu preciso arranjar mais material sobre a história fonológica do português) é que o mesmo processo de perda do n + nasalização ocorreu com as terminações do singular (i.e., algo como can → cã, mano → mão, leon → leõ), e com o tempo essas terminações se "normalizaram" na terminação mais comum -ão. Como conseqüência, o singular perdeu a distinção entre as três terminações, enquanto o plural segue com três terminações distintas.

_____

* Tecnicamente eu não deveria estar partindo das formas do espanhol para chegar nas do português, mas sim partir da língua mãe de ambas, i.e., o dialeto de latim vulgar falado na Península Ibérica. Porém, nesse caso em particular o espanhol preserva essencialmente as mesmas terminações da língua mãe, então não há problema em derivar diretamente as formas do português a partir das do espanhol.

3 comentários / comments

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (133) prog (65) life (46) in-english (44) unix (33) pldesign (32) lang (31) random (28) about (26) mind (24) lisp (23) mundane (22) web (17) fenius (17) ramble (16) img (13) rant (12) hel (12) scheme (10) privacy (10) freedom (8) academia (7) esperanto (7) copyright (7) music (7) bash (7) lash (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) misc (5) emacs (4) politics (4) book (4) php (4) worldly (4) editor (4) latex (4) etymology (4) android (4) film (3) kbd (3) security (3) network (3) wrong (3) c (3) tour-de-scheme (3) poem (2) philosophy (2) comic (2) llvm (2) cook (2) treta (2) lows (2) physics (2) perl (1) german (1) wm (1) en-esperanto (1) audio (1) translation (1) old-chinese (1) kindle (1) pointless (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2019 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.