Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Sometimes in English.

Oi, UOL, e a engenharia social fdp

2015-01-21 23:39 -0200. Tags: life, worldly, treta

Meus amigos, falcatrua é uma arte[2], e é tanta que eu resolvi criar uma tag treta só para catalogá-la.

Para quem vive falando de privacidade e cuidado com dados pessoais, eu consegui ser bem trouxa hoje caindo no golpe do UOL. E eu me dei conta de que é possível manipular as pessoas por telefone de uma maneira que não é possível (pelo menos não com a mesma facilidade) pela Internet. Relato aqui as falcatruas e o que eu aprendi com elas.

Primeiro ato

Depois de ter que cancelar a minha linha da GVT por falta de disponibilidade no meu endereço novo (que é uma história à parte, cuja moral pode ser resumida em reclame com a Anatel e não aceite meias soluções), eu contratei uma linha telefônica e banda larga da Oi. No dia em que eu fiz o pedido, a atendente me informou que o UOL me ligaria para oferecer o provedor e eu poderia dispensar se não quisesse. Alguns dias depois, uma vendedora do UOL ligou para o meu celular (sim, a Oi, não contente em apenas divulgar o número da linha nova, passou meu celular também para o UOL) e eu informei que não tinha interesse. So far, so good.

Hoje o técnico da Oi veio ligar a linha. Uma ou duas horas depois, eu recebi uma ligação no número novo. A pessoa informou seu nome e disse (não lembro exatamente os detalhes) que ia fazer a confirmação de alguns dados para a ligação da Internet e passar algumas informações. Em nenhum momento ela afirmou ser do UOL. Depois de me passar um telefone da central de atendimento, me pedir uns dados, informar uma senha e meia dúzia de outras informações, a mulher me pediu, com uma série de rodeios e palavras elegantes, um número de cartão de crédito. Informou ainda que a cobrança viria pela conta do telefone, e o número não precisava ser de um cartão em uso, podia ser um antigo, era só para ter uma "referência". Depois de enrolar e perguntar uma ou duas vezes para que mesmo ela precisava do cartão, eu disse que não tinha o cartão à mão para informar o número. Ela então me perguntou se eu tinha uma conta bancária para informar, que era um procedimento de segurança da empresa pedir essa informação, que precisava fazer isso para ativar o serviço de Internet, etc. No fim eu forneci o número da conta, julgando que essa informação não era tão crítica por si só. A pessoa confirmou todos os dados de novo e desligou.

Depois de ponderar sobre a estupidez que eu tinha acabado de fazer, resolvi tentar descobrir quem tinha me aplicado o golpe, procurando na Internet pela única informação identificável que a pessoa me forneceu: o telefone da central de atendimento fornecido: 0800 771 7774. Com isso, descobri não só que o número é do UOL, como também este post no Facebook:

“ALERTA A TODAS AS PESSOAS QUE ASSINARAM A OI VELOX”

Assim que assinamos a Oi Velox, recebemos ligações de pessoas q dizem ser da Oi, se apresentam dizendo que fazem parte da oi Velox, (SÃO EXTREMAMENTE CONVINCENTES ), mas são da empresa UOL, que por meio de bandidagem fazem com que os clientes da Oi Velox assinem esse provedor, mas tem um jeito de saber quando são eles quem ligam, eles confirmam seus dados e no final pedem CARTÃO DE CREDITO, pra cobrar pelo acesso, CUIDADO, sempre q alguém ligar na sua casa falando q é da Oi Velox, “DESCONFIEM”, e quem caiu nessa empresa q na verdade é uma quadrilha, liguem pra UOL pelos números 4003-2002 (regiões metropolitanas) e 0800 771 7774 (demais cidades). Não é necessário pagar por provedor de acesso, a própria Oi Velox pelo numero 103-31 já te dão o acesso a internet. e por favor, liguem na Oi central de Reclamações e denunciem isso, pq já passou da hora dessa pouca vergonha acabar... COMPARTILHEM, PRECISAMOS UNIR CONTRA ESSES BANDIDOS, depois de reclamarem na Oi, liguem tb pra ANATEL E DENUNCIEM PELO TEL: 1331.

UNIDOS FAZEMOS DIFERENÇA....

entre inúmeros outros resultados falando da falcatrua. Em seguida, eu liguei para o atendimento da Oi, perguntei sobre a instalação do ADSL, agendei a visita técnica (hoje ligaram só a linha telefônica, sem ADSL), e informei que não queria nenhum provedor e perguntei se aparecia no sistema deles o UOL como provedor. A atendente informou que a contratação do provedor é independente da Oi e eles não têm como consultar essa informação.

A seguir, liguei para o UOL para saber se eles tinham feito a contratação do serviço e dizendo que eu não tinha a intenção de contratar nenhum serviço do UOL e não tinha autorizado nenhuma contratação. Depois de me perguntar e eu informar detalhes sobre a ligação que eu recebi, e me perguntar que empresa tinha me ligado (eu informei que a pessoa não tinha informado, mas passou um 0800 que era do UOL), a atendente informou então que fez um pedido de "cancelamento". Eu então perguntei se seria emitida alguma cobrança. A atendente disse que "já tinha me informado que fez o cancelamento". Eu disse que "mas se o serviço foi cancelado, é porque um dia ele existiu; se um dia ele existiu, pode ser cobrada alguma coisa; eu quero ter certeza de que o UOL não vai me cobrar nada". A mulher ainda me "xingou" por ter fornecido dados sem saber quem tinha ligado (cara de pau também é uma arte), aparentemente querendo implicar que o UOL não tinha nada que ver com isso (mas ela acabou de registrar um pedido de cancelamento! Cancelamento do quê, se o UOL não tinha nada que ver com isso?). "O UOL não vai me cobrar nada então?", eu perguntei, e ela respondeu "já disse que não" (embora esse fosse o primeiro momento em que ela disse que não). Eu agradeci e desliguei. Não sei se o UOL grava as ligações, mas se grava, pelo menos ficou um registro explícito da pessoa dizendo que nenhuma cobrança seria emitida.

Depois disso eu fui no banco ver se tinha como bloquear a adição de faturas em débito automático. A pessoa do banco disse que não tem, só tem como bloquear convênios individuais, depois que eles foram adicionados (coisa que eu já sabia que dá para fazer pelo próprio terminal do banco); que se for adicionado algum débito automático ele provavelmente aparecerá nos "lançamentos futuros" do extrato, e aí eu posso cancelar; e que se eu só vir que entrou a cobrança depois de ela já ter sido debitada, também é possível cancelar e reaver o dinheiro, mas demora alguns dias. Também aproveitei para bloquear o crédito do meu cartão, que eu não uso anyway.

Segundo ato

À tarde, eu recebi uma ligação do suporte técnico da Oi. A atendente me informou que se me ligassem pedindo informações bancárias eu não as devia passar, pois o UOL e o Terra estavam ligando dizendo que são da Oi e pedindo essas informações, mas a Oi nunca pede esses dados e manda qualquer cobrança pela conta do telefone. [Eu não sei se a Oi deixou as coisas saírem do controle e agora está tentando remendar a situação, ou se eles só querem passar a imagem de que estão fazendo alguma coisa a respeito desse problema com os provedores para evitar que a Anatel coma o fígado deles, mas na verdade pretendem manter a situação como está. Anyway.]

Depois (ou antes, não tenho mais certeza), a atendente confirmou alguns dados pessoais, e perguntou se a instalação do ADSL já estava agendada (por puro acaso eu já tinha feito isso pela manhã ligando para a Oi, vide acima). Tendo feito tudo isso e informado que qualquer cobrança viria pela conta, informou ainda que seria cobrado apenas o valor do plano mais R$ 9,90 do suporte técnico, que o suporte técnico não tinha fidelidade e podia ser cancelado quando eu quisesse, e que ela ia me passar para a ouvidoria apenas para confirmar a contratação do serviço, que eu só teria que informar os três primeiros dígitos do meu CPF, e que qualquer dúvida que eu tivesse eu devia perguntar antes de ser transferido para a ouvidoria, pois lá eles não responderiam dúvidas, apenas confirmariam a contratação. "Essa confirmação é em relação só ao suporte?", eu perguntei. "É para a liberação do serviço", ela respondeu, e disse mais algumas coisas que não lembro mais. Do jeito que ela falou, deu a entender que se tratava da liberação do ADSL. Felizmente a Anatel deve ter andado caindo de pau em cima da Oi nos últimos tempos, que é o provável motivo de haver essa confirmação em separado com a ouvidoria. "Ok, pode transferir". O cara da ouvidoria confirmou alguns dados (again), me pediu os três primeiros dígitos do CPF, e me perguntou se eu "confirmava a contratação do serviço de suporte técnico da Oi por R$ 9,90 por mês, que é opcional e não afeta em nada o uso dos outros serviços da Oi". Eu disse que se o serviço era opcional, então eu não tinha interesse. O cidadão agradeceu e desligou.

Uns tantos minutos depois, a atendente anterior me ligou de novo, dizendo que eu não tinha confirmado e perguntando o que tinha acontecido. Eu informei que o cara da ouvidoria tinha dito que o serviço era opcional e então eu disse que não tinha interesse. Ela reclamou que "mas eu informei o senhor que era necessário confirmar o serviço, etc.". Eu disse que tinha entendido que era a liberação do ADSL que eu tinha que confirmar. Ela me explicou em linguagem ambígua que era a liberação do serviço de suporte técnico, que se eu precisasse de suporte eu tinha que ter contratado, etc. Eu disse "bom, se um dia eu precisar de suporte eu contrato então". Ela disse "não é bem assim", que se eu não contratasse naquele momento eu renunciava ao serviço e não poderia contratar depois. Eu disse que tudo bem e ela desligou.

Análise

Infelizmente eu não fiz gravações dessas conversas, porque elas seriam um ótimo material de estudo (e depois desses episódios eu estou pensando seriamente em arranjar um aparelho de telefone capaz de gravar ligações). O ponto interessante dessa história toda é que evidentemente há técnicas sendo usadas intencionalmente para ludibriar as pessoas:

Honestamente eu não sei se os tons de voz foram calculados para maximizar o poder de manipulação, ou se essas pessoas estavam fazendo isso naturalmente. O fato é que esses vendedores provavelmente recebem treinamento extra de manipulação, e convém ficar com um pé atrás e atento a essas artimanhas (que são extremamente sutis e fáceis de não notar quando não se está procurando por elas) ao tratar com vendedores e outras fontes de manipulação.

Umas lições de vida, portanto

Uma política "óbvia" que eu hei de ter de agora em diante é (obviamente) não fornecer dados bancários, de cobrança ou de outra forma sensíveis em qualquer ligação que eu não tenha iniciado. (Você intencionalmente ligar para a operadora para pôr a conta em débito automático, por exemplo, é uma situação em que é legítimo passar esses dados por telefone.) Eu digo "óbvio" entre aspas porque até ontem se alguém me perguntasse se devia passar dados bancários para alguém que lhe ligou eu diria "óbvio que não, né", mas mesmo assim eu fiz isso hoje, porque na situação com o nervosismo e a dúvida e a aparência legítima da coisa toda é mais fácil se deixar levar do que parece. "Será que não é a Oi mesmo? Será que eu não preciso fazer isso para virem ligar o bendito ADSL? Como eu vou dizer pro atendente 'não quero passar esses dados porque isso pode ser um golpe', e se for o atendente de verdade?" Por isso é importante ter uma política explícita de não fornecer esses dados de forma alguma se não foi você que iniciou a ligação e não está falando com um conhecido (e mesmo assim). Assim como o vendedor pode lhe dizer que "é uma política de segurança pedir essa informação", você também pode dizer que é uma política de segurança sua não dar essa informação. Se você quiser justificar (e você não tem que), pode dizer que há muito golpe hoje em dia, e você prefere não correr o risco. Se você ficar com receio de ofender o atendente legítimo (e você não tem que), ou ele disser "mas eu sou o atendente legítimo", você pode bancar o paranóico e dizer que telefone é um meio inseguro, muito fácil de interceptar (é só subir num poste ou abrir um armário e escolher os fiozinhos certos), e você prefere não fornecer essa informação por telefone porque alguém pode capturá-la e usar para algum fim ilegítimo. Pronto. E da próxima vez me mostre o certificado SSL.

A outra lição importante a ter sempre em mente nessas e noutras situações é que provavelmente estão tentando te manipular, existem métodos eficazes para isso, e você deve estar atento a eles para não se deixar levar. (Especialmente quando um atendente está tentando nos constranger ou compelir a fazer algo, lembrar disso acalma e ajuda a pensar direito.)

E assim acaba o conto. (A história da GVT, que é mais de incompetência do que de falcatrua, fica para outro post.)

26 comentários

Título de capitalização como garantia de aluguel?

2014-09-18 21:33 -0300. Tags: life, home, worldly, treta

Meus amigos, falcatrua é uma arte.

Ao invés de exigir fiador, algumas imobiliárias permitem o uso de um título de capitalização como garantia de aluguel. A idéia é: você compra à vista um titulo de capitalização em um valor pré-combinado (normalmente cerca de 12 vezes o valor do aluguel), que fica servindo como garantia caso você não pague o aluguel (sim, você continua tendo que pagar o aluguel todo mês, mesmo já tendo pago o valor de um ano inteiro no título). No final de 12 meses, você pode resgatar "100% da reserva de capitalização corrigida mensalmente pela poupança mais TR" (fonte: folheto do PortoCap Aluguel; outras seguradoras/bancos oferecem condições análogas), e ainda concorre a prêmios e descontos em serviços residenciais.

Parece (meio que) uma boa, não? Afinal o rendimento é o mesmo da poupança, então dá na mesma deixar o dinheiro parado na poupança ou em um título. O truque está na expressão "100% da reserva de capitalização". Se você for parar para ler as condições gerais do PortoCap Aluguel, descobrirá que a reserva de capitalização é 94,1910% do valor do título; o restante é tomado como custos de sorteio (0,023354%) e despesas administrativas (5,785646%). A taxa de juros de capitalização é de 0,5% (basicamente a mesma da poupança). Assim, o rendimento do dinheiro que você recebe ao final dos 12 meses é:

That's right, as taxas de administração e sorteio são calculadas precisamente para que no final o dinheiro não renda absolutamente nada; você recebe a mesma coisa que depositou. Ou seja, se enquanto com R$ 6000 na poupança eu teria cerca de R$ 6370,06 um ano depois, com o título eu teria os mesmos R$ 6000. Se você resgatar o valor do título antes de um ano, você ainda perde dinheiro.

No site linkado pode-se ver que, além do título de 12 meses, existe um de 15. "Ah, esse rende mais", certo? Errado: a reserva de capitalização do de 15 meses é 92,7919% do valor do título, o que dá um rendimento de 0,927919 · 1,00515 = 1,0000022, i.e., 0,00% também.

Conclusão: pelo menos você "não está" perdendo dinheiro, mas a propaganda de que o título dá os mesmos rendimentos da poupança é misleading (o folheto não explica o que é nem quanto é a reserva de capitalização; o carinha da imobiliária ainda teve a cara de me dizer que o título "é muito melhor que a poupança"). "Não está" entre aspas, porque no tempo em que esse dinheiro ficou parado ele poderia ter rendido juros se fosse aplicado na poupança ou algum outro tipo de investimento. Seria mais honesto simplesmente dizer que o dinheiro é devolvido no final com correção pela TR, sem dizer que é corrigido pela poupança, ao invés de oferecer correção pela poupança e tirar exatamente a mesma quantia em taxas. (Dou-me conta agora, todavia, de que isso provavelmente é parte do mecanismo que faz você sair com menos dinheiro se tirar o dinheiro antes de um ano, i.e., quando o dinheiro ainda não "rendeu" até voltar à quantia original.)

That's #capitalfinanceiro for you.

(By the way, eu mencionei que se você conseguir tirar algum lucro nessa brincadeira (i.e., o pouquinho que a TR rende), há incidência de imposto de renda sobre ele, enquanto a poupança é isenta de imposto de renda até R$ 50 000?)

4 comentários

Quer morar sozinho?

2012-06-03 03:14 -0300. Tags: life, home, worldly

Pois vou lhe dar algumas dicas baseadas na minha experiência.

Durante muito tempo eu pensei que valia mais a pena ficar morando com a família até ter condições econômicas suficientes para comprar uma casa ou apartamento, pois pagar aluguel parece um desperdício. Porém, uma hora eu concluí que:

  1. Nesse meio tempo minha vida está passando, e eu queria morar sozinho agora, não daqui a dez anos;
  2. Partindo de um ponto de vista otimista, daqui a dez anos é provável que eu esteja ganhando bem o suficiente para poder comprar uma casa de qualquer forma, e o gasto com aluguel antes disso é só um termo constante.

Sendo assim, me pareceu valer a pena alugar um brinquedo e cair fora.

Ao procurar uma casa para alugar, lembre-se:

Tendo uma idéia dos preços das coisas, pense bem se seus lucros mensais darão conta do gasto com aluguel, água, luz, comida, possivelmente telefone e Internet, produtos de limpeza e outros gastos eventuais. Se houver a possibilidade de angariar uns trocados mensais com familiares, aproveite a oportunidade. Lembre-se também de que, a menos que você encontre um imóvel mobiliado, você terá que conseguir móveis e outros aparatos domésticos (fogão, geladeira, balcão de pia, máquina de lavar, armários, cama, mesa, pratos, talheres, copos, panelas, chaleira, leiteira, etc.). Seus parentes provavelmente têm coisas velhas sobrando para lhe doar. Descubra o que você consegue, e contabilize o que você não consegue. Esse gasto é um overhead único, entretanto, e portanto não afetará (em princípio) seu poder dinheirativo de se sustentar todo mês.

Ao fechar negócio:

Com um pouco de treta e um pouco de paciência, você poderá desfrutar das maravilhas de ter um palácio só para si, livre de incomodações alheias, interrupções e outros infortúnios. Se eu lembrar de mais algum item, edito este post no futuro.

4 comentários

Horários dos TM{1,2,3}

2012-04-07 12:41 -0300. Tags: worldly

Enchi o saco de procurar os horários dos ônibus toda vez no site da Metroplan.

Update (17/03/2013): A página da Metroplan mudou. Seguem os links novos:

Use it well.

8 comentários

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

comp (114) prog (51) life (44) unix (32) random (27) lang (27) about (24) mind (22) mundane (21) pldesign (20) in-english (19) lisp (17) web (17) ramble (15) img (13) rant (12) privacy (10) scheme (8) freedom (8) lash (7) music (7) esperanto (7) bash (7) academia (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) copyright (5) misc (5) worldly (4) book (4) php (4) latex (4) editor (4) politics (4) etymology (3) wrong (3) android (3) film (3) tour-de-scheme (3) kbd (3) c (3) security (3) emacs (3) network (3) poem (2) cook (2) physics (2) comic (2) llvm (2) treta (2) lows (2) audio (1) wm (1) philosophy (1) kindle (1) pointless (1) perl (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2018 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.