Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Sometimes in English.

My take on the GitHub-Microsoft conundrum

2018-06-04 19:50 -0300. Tags: comp, freedom, in-english

Today the acquisition of GitHub by Microsoft was announced. Lots of people (myself included) have expressed their concerns about the consequences of this acquisition. Some people worried that Microsoft would end up ruining GitHub the same way it did to Skype. Some worried that it could be part of a traditional embrace, extend, extinguish move to kill off competition. Some worried that they could change the terms of service to grant themselves more rights over the code that is hosted on GitHub (that was my first worry, and I've seen it reflected elsewhere on Mastodon). At the same time, many people have countered that the new GitHub CEO will be a person friendly to open-source (Nat Friedman, founder of Xamarin), that Microsoft's stance towards open source has changed a lot in the last years, and that probably not much will change in the GitHub service.

I have reflected for a while about what should I do, and I decided that I will move my projects away from GitHub.

Here is my take on this: It does not matter whether Microsoft will ruin GitHub or not. To keep my personal projects on GitHub would be endorsing Microsoft, and I don't want to do this. It's not (only) that the company has a terrible track of mistreating the FOSS community. It's not (only) about what the company has done in the past. It's that in the present Microsoft still regularly mistreats its users, by pushing spyware on them (in the form of Windows 10 telemetry), by pushing ads on them (in the Windows 10 equivalent of the start menu), by de-decentralizing Skype and thus facilitating surveillance, by taking control away from users over their own systems (e.g., by forcing updates upon users and making it really difficult to disable automatic reboot), and so on. (This article has a nice list of bad things Microsoft has done in the past, which should be kept in mind too, but my point is that even if you ignore the past and look just at the present, there's plenty of reasons to dislike Microsoft.)

I don't want to endorse or support this company in any way, and I feel that keeping my projects there (and by implication requiring other people to use their services if they want to create issues, contribute code, etc.) is a form of endorsement. Therefore my decision is to move away.

I won't do this immediately, though. Although I have already decided that I will move away from GitHub, I still haven't decided where I will move to. The acquisition is not yet complete, and I will take my time to consider my options – whether I will move to some other code hosting service such as GitLab or BitBucket, or whether I will host my own server (and if so, which server software I will use), or whether I will go bare-bones and just have plain Git repositories and home pages for each project. I'm also wondering if this might be a good time to move away from Git and give Fossil a try.

I also may keep my GitHub account (assuming they don't make radical changes to the terms of service or the nature of the service), so I can open and comment on issues of projects still hosted there, and so I can point to whatever new place I decide to host my stuff on in my profile.

1 comentário

Some thoughts on Twitter and Mastodon

2017-06-25 01:32 -0300. Tags: comp, web, privacy, freedom, life, mind, in-english

Since the last post I've been using Mastodon as my primary microblogging platform for posting, but I was still regularly reading and retweeting stuff on Twitter. A while ago Twitter started reordering tweets in my timeline despite my having disabled that option, just as I said could eventually happen (except much earlier than I expected). The option is still there and is still disabled, it's just being ignored.

Twitter brought me much rejoicing during the years I used it. I follow a lot of cool people there and I've had lots of nice interactions there. I found myself asking if I should accept some abuse from Twitter to keep interacting with those people, and I've been shocked at myself for even asking myself that. I've been using Twitter less and less as of late. (I'd like to be able to say I did it out of principles, but to be completely truthful I find the non-chronological timeline utterly annoying, and that has had as much to do with my leaving as principles.)

Although I switched to Mastodon as my Twitter replacement, Mastodon is not really "another Twitter". Having 500 rather than 140 characters to write initially felt like learning to talk again. Early on when I started using Mastodon, I was going to reply to a person's toot (that's what posts are called in Mastodon) with a short, not-really-one-full-sentence line that is the norm in Twitter. I wrote it down and was like "no, this kind of grunting a half-thought is not going to cut it here". It felt like Twitter's 140 character limit not only limited the kinds of things you could say, but also imposed/favored a "140-character mindset" of not finishing lines of thought or thinking with much depth. As I went on using Mastodon, I found myself writing thoughts I wouldn't have even tried to write in Twitter.

I still open up Twitter once in a while. Today I opened the mobile version in my desktop browser and noticed that the mobile version still shows a chronological timeline, still doesn't pollute the timeline with liked-but-not-retweeted tweets, and is much faster and cleaner than the desktop version. (I still have to un-fix the navigation bar via CSS, but I already had to do that in the desktop version anyway.) It's tempting to start using Twitter again through the mobile version, while it doesn't catch up with the new "features". I know I shouldn't, though. Even if the mobile version never caught up with the misfeatures (I suppose it eventually will, probably in short time), Twitter has already shown they're willing to throw stuff down their users' throats in the name of – what? I'm not even sure. Maybe they want to make Twitter more Facebook-like to attract Facebook users, even if that means alienating the people who used Twitter exactly because it was not like Facebook?

The funny thing is Twitter could simply provide some options for users to control their experience ("(don't) show tweets liked by your followers", "(don't) show tweets you liked to your followers", "(don't) reorder tweets" (the last one is already there, it just doesn't work)). This way they could cater to whatever new audience they have in mind and keep the users who liked how Twitter used to work. They just don't care to. I'm not really sure what are the motivations and goals behind Twitter's actions. For a really long time before the last changes it had been showing the "you might like" box (even if you clicked the "show me less like this" option (the only way to dismiss it) every time) and the "you might like to follow" box (even if you dismissed that too, and even though it also showed undimissable follow suggestions on the right pane anyway). I used to open Twitter pretty much every day, so it didn't really make sense as a user retention strategy. Maybe they want to incentivize people to do specific things on Twitter, e.g., throw in more data about themselves? (Yeah, there was the "add your birthday to your profile" periodic thing too.)

Meh.

3 comentários

"Pirataria"

2015-11-18 19:36 -0200. Tags: freedom, copyright

Hoje a Polícia Federal prendeu os administradores do site Mega Filmes HD e levou mais cinco pessoas supostamente envolvidas com o site para serem ouvidas.

"Mega Filmes HD" virou trending topic no Twitter (e ainda está no topo dos trending topics do Brasil). A maioria dos tweets é gente inconformada com o fato de que o site está para sair do ar. Honestamente, o site sair do ar é o de menos. O que nós deveríamos estar nos preocupando com é que pessoas foram presas por "violação de direitos autorais".

Eu não sou necessariamente contra a restrição de uso comercial de obras copyrighted, então eu não necessariamente acho (por ora) que coisas como o Mega Filmes devam ser permitidas. O que eu definitivamente não acho certo é que alguém possa ser preso por violação de direito autoral, comercial ou não. Simplesmente não é aceitável que alguém vá para a cadeia por distribuir cópias de filmes, livros ou obras quaisquer. Se é para proibir "violação de direitos autorais", então que tirem o site do ar, cobrem multa (num valor razoável, não mil vezes o "valor" de cada cópia), whatever. Agora mandar alguém para a cadeia por distribuir cópias de obras publicadas é uma medida totalmente desproporcional à "gravidade" da situação (que é basicamente nenhuma).

Assim, eu vos peço humildemente para assinar a petição do Partido Pirata do Brasil para libertar os administradores e salvar o site.

Addendum: Mesmo que você ache que assinar a petição não vai levar a nada, mostrar que há bastante gente que se importa com a questão já é alguma coisa. Assumindo que haja.

1 comentário

FISL 16

2015-07-11 23:27 -0300. Tags: comp, life, freedom

Nos últimos quatro dias ocorreu o 16º Fórum Internacional do Software Livre. Minha proposta de palestra sobre o lash não foi aceita (o que por um lado foi bom, porque o projeto anda meio dormente devido a obrigações mestrariosas e má administração temporal), mas eu assisti uma porção de palestras, a maioria das quais foram bem boas. Também encontrei o Marcus Aurelius por lá, que trabalhou como voluntário na tradução do site do FISL para o esperanto, e troquei umas palavras com seu Lucas Zawacki, que estava no espaço do Dumont Hackerspace (e que ganhou a Hackathon EBC/FISL 16 com o aplicativo Pautaí, por sinal; congrats!).

Eis um resumo das palestras que eu assisti por lá. O site do FISL contém a programação completa, com link para os vídeos da maioria das palestras.

Dia 1

Email criptografado: usando GPG e icedove para criptografar sua correspondência, por Felipe Cabral

A idéia era que fosse uma oficina, mas acabou sendo mais uma palestra sobre conceitos básicos de PGP. Também foi visto um programinha chamado Seahorse (pacote seahorse no Debian) para gerar e administrar chaves de PGP e afins. Eu fui na palestra achando que ia aprender alguma coisa que me ajudasse a fazer o PGP funcionar no Claws Mail. Turns out que no Thunderbird/Icedove, tudo o que é necessário para fazer o PGP funcionar é instalar o add-on Enigmail (pacote enigmail no Debian), seguir os passos de configuração que serão apresentados depois que o Enigmail é instalado, e ser feliz. Me deu até vontade de experimentar o Thunderbird de novo, mas tem que ver isso aí. Meanwhile, continuo unenlightened quanto ao Claws.

Half my life with Perl, por Randal Schwartz

O autor do Programming Perl (a.k.a. Camel Book), entre outros, e atual host do podcast FLOSS Weekly, conta sua vida e seu envolvimento com o Perl. Foi uma palestra bem interessante, mesmo eu não conhecendo grandes coisas do Perl e sua comunidade.

Negócios em Software Livre, isso existe?, por Vagner Fonseca

Uma palestra sobre como ganhar dinheiro vendendo serviços baseados em software livre para empresas, tais como suporte, customização de programas livres de acordo com as necessidades da empresa, soluções de monitoramento de rede e de uso de recursos, entre outros. Também foram discutidos tipos de contrato (por projeto, por hora, contrato de suporte) e quando cada tipo vale a pena (basicamente, cobrar por projeto só vale a pena para coisas bem simples e punctuais, caso contrário corre-se o risco de algo demorar muito mais do que o previsto e o cidadão acabar efetivamente pagando para trabalhar; em contrato de suporte se cobra menos do que em um contrato por hora, mas tem-se a estabilidade e se consome um tempo mais limitado por semana em uma empresa, então é possível atender mais de uma ao mesmo tempo), entre outras coisas.

"Enemy spotted - Applying infovis at security field", por Felipe Afonso Espósito

Uma palestra sobre visualização de dados e como isso pode ser usado com dados de segurança. Não tenho muito mais o que comentar.

Let's Encrypt: Uma Autoridade Certificadora Gratuita e Automatizada, por Seth Schoen

Seth Schoen, membro da EFF, falou (em português!) sobre o andamento do Let's Encrypt, uma iniciativa da EFF, Mozilla, University of Michigan e outros para criar uma autoridade certificadora e um mecanismo para obtenção e validação automática e gratuita de certificados digitais, e instalação automática em servidores web, eliminando uma barreira que existe atualmente para se usar HTTPS. A data prevista para o serviço ser disponibilizado para o público é 14 de setembro deste ano.

Eu pretendia assistir a APIs em Tempo Real Usando Websockets em PHP, mas a sala lotou e eu não cheguei a tempo. Ao invés disso, eu e o Marcus ficamos tentando entender as entranhas do cua-mode do Emacs, inter alia.

Dia 2

Encontro de Hackers GNU

Alexandre Oliva (FSF Latin America), Felipe Sanches, e Deborah Anne Nicholson (Open Invention Network, MediaGoblin) falaram sobre uma porção de projetos relacionados com liberdade digital. Entre eles, o Twister, uma plataforma peer-to-peer de microblogging, e MediaGoblin, uma plataforma descentralizada de compartilhamento de mídia. Também foram mencionadas algumas idéias de projetos que seriam interessantes de criar, como uma plataforma peer-to-peer para distribuição de código (eu mencionei que já existe um projeto nesse sentido).

Outra idéia interessante que o Alexandre Oliva mencionou é que os ambientes computacionais modernos são pouco programáveis (sounds weirdly familiar), e que seria interessante criar uma biblioteca que facilitasse para o usuário descobrir que funções o programa chama quando se clica em algum botão ou menu e tornasse esses programas programáveis. O conceito é parecido com o que eu vejo como ideal de ambiente computacional, mas eu nunca tinha pensando em pôr essa funcionalidade em uma biblioteca, ao invés de algo mais fundamental. É uma abordagem interessante de se pensar.

O Felipe Sanches também comentou a questão de firmware aberto, as dificuldades envolvidas em reverse-engineering de firmware e hardware, e a necessidade de incentivar o compartilhamento de informação sobre técnicas de engenharia reversa.

Programação Orientada a Objetos em C puro: o caso do htop, por Hisham Muhammad

O autor do htop falou sobre as técnicas de programação que usou no desenvolvimento desse programa, em particular o uso de orientação a objetos em C. Eu já sabia um pouco sobre o assunto, mas a palestra valeu a pena mesmo assim. Mais para o final, o Hisham falou sobre o uso de collections para gerenciar "ownership" de ponteiros (alocação e liberação de memória) em C, e como isso torna a gerência manual de memória do C menos horrível de se usar. Por fim, ele falou sobre o dit, um editor de texto que ele escreveu reusando componentes do htop.

Assinatura digital e o padrão ICP-Brasil, por Paulo Cesar Barbosa Fernandes

Uma palestra sobre o padrão brasileiro de assinaturas digitais, seus aspectos legais, e algumas informações gerais sobre o uso de assinaturas digitais. Talvez a coisa mais importante que eu aprendi na palestra é que uma assinatura digital obtida adequadamente seguindo o padrão ICP-Brasil tem o valor legal de uma assinatura de papel (embora ainda haja legislação a ser atualizada para levar isso em conta).

Desvendando o IPv6: Tecnologia indispensável para o Futuro da Internet, por Lucenildo Lins de Aquino Júnior

Nada muito aprofundado tecnicamente, mas foi uma boa palestra. O mais surprising aqui foi saber que uma boa parte do tráfego da Internet já é em IPv6, inclusive no Brasil (pelo menos em São Paulo), mas não lembro mais os números. Até me deu alguma esperança de que teremos o bendito IPv6 em alguns anos.

What's new in systemd in 2015, and what's coming in 2016, por Lennart Poettering

Exatamente o que o título diz. Foram mencionadas funcionalidades de configuração de rede, resolução de DNS, containers, e todas essas coisas que nós nos perguntamos se deviam mesmo fazer parte do systemd, mas isso fica para outra discussão.

Finding a Great Project to Work On, or Great People to Work on Your Project, por Deborah Anne Nicholson

Uma palestra muito boa sobre, entre outras coisas, como fazer com que um projeto seja "welcoming" a novos colaboradores, especialmente não-desenvolvedores (pessoas envolvidas com tradução, documentação, divulgação, arte, etc.). Alguns dos tópicos mencionados são coisas que deveriam ser senso comum, mas infelizmente não são, tais como ter uma descrição de o que é o projeto na página inicial, links para mailing lists, FAQs, informação de contato, etc. Outro ponto mencionado é que se você como desenvolvedor não tem grandes skills comunicativos, encontre uma pessoa para fazer esse papel no seu projeto. Also, incentive e recompense os esforços dos colaboradores. Provavelmente é melhor assistir o vídeo do que eu tentar explicar (talvez eu tenha skills comunicativos sub-ótimos).

Acho que esse foi o melhor dia do FISL para mim.

Dia 3

Ocorreu uma miniDebConf (conferência sobre o Debian) durante esse dia na sala 41D.

Debian: o que é, e como funciona, por Antonio Terceiro

Uma palestra introdutória sobre o Debian, que no entanto me ensinou sobre uma porção de recursos online do Debian que eu não conhecia, tais como o blog Bits from Debian, o Ultimate Debian Database (que é mais útil para desenvolvedores do Debian), um pastebin, a página com informações para se tornar um novo membro do Debian, páginas onde se pode navegar pelos fontes do Debian e fazer buscas textuais no código, e um security bug tracker.

Não sou programador, como posso ajudar o Projeto Debian?, por Luiz Guaraldo

Não lembro mais o que foi visto nessa.

Containers and systemd, por Lennart Poettering

Uma palestra sobre o suporte a containers do systemd. A palestra começou com "everyone knows what containers are", except I didn't, então embora as funcionalidades apresentadas tenham parecido interessantes, eu meio que fiquei boiando sobre como as coisas funcionam.

Empacotamento de software no Debian, por João Eriberto Mota Filho

Uma palestra muito boa sobre o processo de criar um pacote Debian, cobrindo as ferramentas utilizadas, o ambiente de empacotamento, os arquivos que se deve editar, etc. Se você pretende criar um .deb na vida, assista.

Dependências de pacotes de código fonte, por Thadeu Lima de Souza Cascardo

Essa palestra pode ser resumida a "pacotes de fonte possuem dependências". Foram vistos alguns conceitos como dependências de compilação vs. dependências de execução, mas nada do que eu esperava ver foi visto, tal como como baixar pacotes fonte e suas dependências e compilá-los usando as ferramentas do Debian. A palestra terminou com o palestrante debugando um script em Perl que ele escreveu para calcular as dependências recursivas de um pacote fonte, e eu fui embora fazer outras coisas pelo mundo.

Dia 4

Decidi almoçar em casa e só consegui chegar às 13h e pouco no FISL.

Javascript e as novidades nas funções em ES2015+, por Felipe Nascimento de Moura

Cheguei uns 10 minutos atrasado na palestra. Ficou bem pouco claro para mim o que eram coisas novas do JavaScript vs. coisas que já existem. Foram vistas features como generators (que o Firefox já suporta há mais de oito mil anos, mas agora eles vão entrar no EcmaScript oficial, com uma sintaxe levemente diferente), execução assíncrona, setInterval para executar ações periodicamente, "arrow functions" (uma sintaxe nova para funções anônimas, e que captura o valor de this), e outras coisas que ya no recuerdo más.

HTTP: passado, presente e futuro, por Luiz Fernando Rodrigues

Aprendi o suficiente para querer me informar melhor sobre o HTTP/2, but that's it.

Programming Efficiently, por Jon "Maddog" Hall

A palestra foi mais sobre a importância da eficiência em programação, e não sobre técnicas de programação eficiente. O Maddog também falou sobre o fato de que muita gente sai de uma escola/faculdade sem saber como funciona o hardware, que o Raspberry Pi foi criado para ser uma máquina "hackable" e boa para o aprendizado, e que ele usou alguns Banana Pi para montar um cluster pequeno, barato e com bom poder computacional que pode ser usado para ensinar high-performance computing e afins. A palestra foi bem boa, embora não fosse sobre o que eu pensei.

How much of your computer is non-free, and how worried should you be?, por Matthew Garrett

Palestra sobre o fato de que nossos dispositivos contêm bem mais processadores do que normalmente a gente pensa, normalmente rodando software proprietário que não temos nem como ver nem como modificar. Exemplos particularmente alarmantes são HDs (com uma menção de uma galera que conseguiu fazer um HD bootar um kernel Linux) e SD cards. Worse still, muitos desses dispositivos só aceitam firmwares assinados pelo fabricante, usualmente encriptados, o que nos impede de analisar e controlar o comportamento desses dispositivos. Recomendo assistir o vídeo.

Archlinux: Você no comando, por Israel Lopes dos Santos

Uma palestra introdutória sobre o Arch Linux, explicando a filosofia da distribuição, o gerenciador de pacotes, o fato de que criar um pacote para o Arch é relativamente fácil e que qualquer um pode submeter um pacote para o Arch User Repository (AUR). Na seção de perguntas, um cidadão resolveu criticar o uso de "Linux" ao invés de "GNU/Linux" de uma maneira indireta/irônica que o palestrante não entendeu. Foi bem desnecessário; ser indireto e irônico não ganha ninguém à causa, na minha humilde opinião.

That was it. 9/10 would go again.

3 comentários

Against Intellectual Monopoly

2013-04-04 15:12 -0300. Tags: freedom, book, copyright

In late 1764, while repairing a small Newcomen steam engine, the idea of allowing steam to expand and condense in separate containers sprang into the mind of James Watt. He spent the next few months in unceasing labor building a model of the new engine. In 1768, after a series of improvements and substantial borrowing, he applied for a patent on the idea, requiring him to travel to London in August. He spent the next six months working hard to obtain his patent. It was finally awarded in January of the following year. Nothing much happened by way of production until 1775. Then, with a major effort supported by his business partner, the rich industrialist Matthew Boulton, Watt secured an Act of Parliament extending his patent until the year 1800. The great statesman Edmund Burke spoke eloquently in Parliament in the name of economic freedom and against the creation of unnecessary monopoly – but to no avail.1 The connections of Watt’s partner Boulton were too solid to be defeated by simple principle.

Once Watt’s patents were secured and production started, a substantial portion of his energy was devoted to fending off rival inventors. In 1782, Watt secured an additional patent, made “necessary in consequence of ... having been so unfairly anticipated, by [Matthew] Wasborough in the crank motion.”2 More dramatically, in the 1790s, when the superior Hornblower engine was put into production, Boulton and Watt went after him with the full force of the legal system.3

During the period of Watt’s patents the U.K. added about 750 horsepower of steam engines per year. In the thirty years following Watt’s patents, additional horsepower was added at a rate of more than 4,000 per year. Moreover, the fuel efficiency of steam engines changed little during the period of Watt’s patent; while between 1810 and 1835 it is estimated to have increased by a factor of five.4

After the expiration of Watt’s patents, not only was there an explosion in the production and efficiency of engines, but steam power came into its own as the driving force of the industrial revolution. Over a thirty year period steam engines were modified and improved as crucial innovations such as the steam train, the steamboat and the steam jenny came into wide usage. The key innovation was the high-pressure steam engine – development of which had been blocked by Watt’s strategic use of his patent. Many new improvements to the steam engine, such as those of William Bull, Richard Trevithick, and Arthur Woolf, became available by 1804: although developed earlier these innovations were kept idle until the Boulton and Watt patent expired. None of these innovators wished to incur the same fate as Jonathan Hornblower.5

Ironically, not only did Watt use the patent system as a legal cudgel with which to smash competition, but his own efforts at developing a superior steam engine were hindered by the very same patent system he used to keep competitors at bay. An important limitation of the original Newcomen engine was its inability to deliver a steady rotary motion. The most convenient solution, involving the combined use of the crank and a flywheel, relied on a method patented by James Pickard, which prevented Watt from using it. Watt also made various attempts at efficiently transforming reciprocating into rotary motion, reaching, apparently, the same solution as Pickard. But the existence of a patent forced him to contrive an alternative less efficient mechanical device, the “sun and planet” gear. It was only in 1794, after the expiration of Pickard’s patent that Boulton and Watt adopted the economically and technically superior crank.6

The impact of the expiration of his patents on Watt’s empire may come as a surprise. As might be expected, when the patents expired “many establishments for making steam-engines of Mr. Watt's principle were then commenced.” However, Watt’s competitors “principally aimed at...cheapness rather than excellence.” As a result, we find that far from being driven out of business “Boulton and Watt for many years afterwards kept up their price and had increased orders.”7

In fact, it is only after their patents expired that Boulton and Watt really started to manufacture steam engines. Before then their activity consisted primarily of extracting hefty monopolistic royalties through licensing. Independent contractors produced most of the parts, and Boulton and Watt merely oversaw the assembly of the components by the purchasers.

In most histories, James Watt is a heroic inventor, responsible for the beginning of the industrial revolution. The facts suggest an alternative interpretation. Watt is one of many clever inventors working to improve steam power in the second half of the eighteenth century. After getting one step ahead of the pack, he remained ahead not by superior innovation, but by superior exploitation of the legal system. The fact that his business partner was a wealthy man with strong connections in Parliament, was not a minor help.

Was Watt’s patent a crucial incentive needed to trigger his inventive genius, as the traditional history suggests? Or did his use of the legal system to inhibit competition set back the industrial revolution by a decade or two? More broadly, are the two essential components of our current system of intellectual property – patents and copyrights – with all of their many faults, a necessary evil we must put up with to enjoy the fruits of invention and creativity? Or are they just unnecessary evils, the relics of an earlier time when governments routinely granted monopolies to favored courtiers? That is the question we seek to answer.

Against Intellectual Monopoly

O livro completo está disponível para download. É compridinho (ainda estou no começo), mas vale a pena.

3 comentários

The right to copy

2012-09-07 12:44 -0300. Tags: freedom, copyright

Eu sempre fico surpreso quando encontro uma pessoa que leva o copyright tal como existe a sério. Talvez eu não devesse. Eu me lembro que ler o Misinterpreting Copyright pela primeira vez há seis ou sete anos foi uma mudança de paradigma apreciável.

"Pirataria" é ilegal. Isso significa alguma coisa quanto a ela ser moralmente correta ou não? Escravidão já foi legal, e casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é ilegal em muitos lugares. A lei não precede a ética; idealmente, a lei é um reflexo da ética, e se há uma divergência entre as duas, é a lei que tem que ser adaptada, não a ética.

Copyright, ou direito autoral, não é um direito natural do autor; pelo contrário, o copyright interfere no meu direito natural de fazer o que eu bem entender com uma obra uma vez que esteja de posse da mesma. Se eu tenho um livro, eu deveria poder descrever seu conteúdo e distribuir essa descrição, da mesma forma que eu posso pedir um prato em um restaurante e descrever a receita e a disposição dos ingredientes no prato.

O copyright, portanto, não é um direito natural, mas sim um mecanismo que viabiliza a lucrabilidade de uma obra intelectual. O copyright é uma concessão dos nossos direitos que fazemos ao autor. O objetivo dessa concessão é dar um incentivo econômico ao autor para produzir obras intelectuais. Esse incentivo, entretanto, existe para o benefício do público, que assim teoricamente obtém mais obras, e não puramente para satisfazer o autor. Ilegalizar o direito de emprestar um livro talvez gerasse um lucro maior para o autor, mas consideraríamos uma lei assim inaceitável (ou pelo menos deveríamos). O ponto é que cabe ao público decidir de que direitos está disposto a abdicar para incentivar os autores.

Na época em que o copyright foi estabelecido, fazer cópias de uma obra era uma atividade custosa, que era apenas viável se realizada em larga escala, por editoras ou gravadoras. Nesse caso, restrições sobre o direito de cópia afetavam primariamente essas organizações; o público, largamente inafetado pelo copyright, primariamente se beneficiava com a existência do mesmo. Hoje em dia, fazer cópias de uma obra em formato eletrônico é extremamente simples, e com isso o interesse do público em realizar essa atividade aumentou. O benefício proporcionado pelo copyright tem se tornado cada vez menor em comparação com seu "custo", já que ele restringe uma atividade que é de interesse da população em geral.

A "indústria de conteúdo" propõe uma analogia entre propriedade física e intelectual, e iguala cópia a roubo. Essa analogia não faz sentido; ao copiar uma obra, não estamos tirando nada de ninguém. No máximo, pode se argumentar que estejamos reduzindo a probabilidade de que comprem a obra do autor original, e conseqüentemente seu lucro. Esse argumento é problemático. Não é certo que a quantidade de vendas de uma obra aumente diante da impossibilidade de copiar; muitas pessoas que copiam simplesmente não comprariam a obra de qualquer forma, e muitas pessoas comprariam a obra independentemente da possibilidade de copiar. Mas em última instância, esse argumento é irrelevante: se a população em geral não está disposta a ceder seu direito de copiar, a indústria é que tem que se adaptar ao fato. O argumento é irrelevante da mesma maneira que um argumento do tipo "a abolição da escravatura reduzirá os lucros dos fazendeiros" seria irrelevante (independente de ser verdadeiro ou falso) na defesa da escravidão.

Na minha opinião, uma forma limitada de copyright poderia existir e deveria ter uma função: garantir ao autor um monopólio sobre a lucrabilidade de uma obra. Isto é, o autor de um livro (por exemplo), se desejar, deveria poder ter uma garantia de que uma editora não vai tomar seu livro e começar a vendê-lo sem pagar nada ao autor. O direito de um autor de receber crédito pelo uso de sua obra também faz sentido, mas seus direitos não deveriam ir muito mais longe que isso. Cópia sem fins lucrativos, em particular, deveria ser um direito de todos.

Muito do que eu disse aqui, e muito do que eu não disse, já foi dito por camarada Stallman no Misinterpreting Copyright e outros textos. Leia-os.

2 comentários

UEFI: DRM, agora na sua BIOS

2012-05-21 22:42 -0300. Tags: comp, freedom

Secure boot is a controversial UEFI-based feature to "prevent unauthorized firmware, operating systems, or UEFI drivers from running at boot time".

Hardware makers who choose the optional Microsoft Certification will be required to implement UEFI. Microsoft will also require that manufacturers offer the ability to turn off the secure boot feature on x86 hardware, but they must not offer such an option on ARM hardware. No mandate is made regarding the installation of 3rd party certificates that would enable running alternate software.

In September 2011, Matthew Garrett, an employee of competitor Red Hat, raised the possible risk of Microsoft locking out alternative systems, leading to media coverage. Microsoft addressed the issue in a blog post, stating "the customer is in control of their PC. Microsoft’s philosophy is to provide customers with the best experience first, and allow them to make decisions themselves" which confirmed PCs would allow users to disable the feature. In January 2012, the company released specifications for Windows on ARM devices; Secure Boot can never be disabled on ARM devices, causing concerns, particularly in the Linux community.

http://en.wikipedia.org/wiki/Windows_8#Secure_Boot (referências removidas)

O próximo passo é eliminar a opção de desabilitar o Secure Boot nos PCs também. Ter Windows e GNU/Linux na mesma máquina já vai ser um problema do jeito que está; imagino que o camarada vai ter que alternar na BIOS entre Secure Boot habilitado e desabilitado para bootar cada sistema, assumindo que o Windows 8 não boote sem Secure Boot ativado.

Faça um favor a si mesmo e ao mundo e não dê dinheiro a essa empresa ao comprar uma máquina.

Addendum: Já ouviu falar de trusted computing? O assunto talvez seja digno de post próprio, mas por enquanto deixo-vos com alguns links:

Comentários

Misinterpreting copyright

2012-03-21 01:06 -0300. Tags: comp, freedom, copyright

“Don't people have a right to control how their creativity is used?”

“Control over the use of one's ideas” really constitutes control over other people's lives; and it is usually used to make their lives more difficult.

People who have studied the issue of intellectual property rights(8) carefully (such as lawyers) say that there is no intrinsic right to intellectual property. The kinds of supposed intellectual property rights that the government recognizes were created by specific acts of legislation for specific purposes.

For example, the patent system was established to encourage inventors to disclose the details of their inventions. Its purpose was to help society rather than to help inventors. At the time, the life span of 17 years for a patent was short compared with the rate of advance of the state of the art. Since patents are an issue only among manufacturers, for whom the cost and effort of a license agreement are small compared with setting up production, the patents often do not do much harm. They do not obstruct most individuals who use patented products.

The idea of copyright did not exist in ancient times, when authors frequently copied other authors at length in works of nonfiction. This practice was useful, and is the only way many authors' works have survived even in part. The copyright system was created expressly for the purpose of encouraging authorship. In the domain for which it was invented—books, which could be copied economically only on a printing press—it did little harm, and did not obstruct most of the individuals who read the books.

All intellectual property rights are just licenses granted by society because it was thought, rightly or wrongly, that society as a whole would benefit by granting them. But in any particular situation, we have to ask: are we really better off granting such license? What kind of act are we licensing a person to do?

The case of programs today is very different from that of books a hundred years ago. The fact that the easiest way to copy a program is from one neighbor to another, the fact that a program has both source code and object code which are distinct, and the fact that a program is used rather than read and enjoyed, combine to create a situation in which a person who enforces a copyright is harming society as a whole both materially and spiritually; in which a person should not do so regardless of whether the law enables him to.

The GNU Manifesto

Essa idéia é expandida em Misinterpreting Copyright, o texto que mudou minha vida seis ou sete anos atrás.

Comentários

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

comp (114) prog (51) life (44) unix (32) random (27) lang (27) about (24) mind (22) mundane (21) pldesign (20) in-english (19) lisp (17) web (17) ramble (15) img (13) rant (12) privacy (10) scheme (8) freedom (8) lash (7) music (7) esperanto (7) bash (7) academia (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) copyright (5) misc (5) worldly (4) book (4) php (4) latex (4) editor (4) politics (4) etymology (3) wrong (3) android (3) film (3) tour-de-scheme (3) kbd (3) c (3) security (3) emacs (3) network (3) poem (2) cook (2) physics (2) comic (2) llvm (2) treta (2) lows (2) audio (1) wm (1) philosophy (1) kindle (1) pointless (1) perl (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2018 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.