Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

Posts com a tag: about

I was burnt out and I did not know it

2023-01-01 17:09 +0000. Tags: life, mind, about, in-english

In the last few months of 2020, I started working on a Go implementation of Fenius, my hobby programming language. I worked roughly every week on it, at some points working almost every day on it. By December 2020, I had a working prototype, with basic support for functions, data structures, and even macros. The project looked quite promising; from there, I could have kept iterating on it until it turned into something usable.

But then I stopped.

The motivation was gone. I touched the project again in April 2021, tried to refactor it a bit, but that was it. I have not touched it again since.

This did not really have anything to do with the project itself. I was extremely tired in general a lot of the time, with very little motivation to work on side projects. I have posted only two blog posts in 2021, and only two in 2022 again. It’s not entirely clear to me why this happened. I think it was a combination of the isolation of living alone away from family during the pandemic, an unsatisfying situation at work, and other personal reasons.

I’ve recently switched jobs. I quit my previous job in the beginning of November, and started the new one in December. I had a one-month gap between the two to recover some of my brain cells; this seems so far ago that I barely remember what I did during this time. I visited a friend for a few days, I watched lots of videos and listened to podcasts, but I think I largely did nothing during much of this time. And I don’t regret it. I spent the first week of December in Berlin getting to know the people at the new company, and now I’m back to Lisbon working remotely.

I don’t feel extremely tired all the time anymore. This is particularly notable because my general habits have not changed. I still eat mostly the same stuff (and suffer from the same IBS symptoms as always); I still do as much physical activity as before; I still sleep roughly as badly as usual (although now that I think about it, I think I have been waking up less often during the night). And yet I go through most days without feeling physically tired or exhausted. I still have trouble finding motivation to focus on projects outside work, but I don’t feel exhausted all the time the way I did before.

I’m beginning to realize now the degree of burnout I was going through before. During all that time, I thought I was near the edge of burnout, but I did not think I actually had burnout because I was still able to get stuff done, and because I knew many of my colleagues were going through worse stuff at work. But comparing how I’m feeling then and now, not only mentally but even physically, it’s clear now how bad it was back then. Whether this really fit a medical diagnosis of ‘burnout’, I can’t say for sure, but it doesn’t really matter. I know how I was feeling then and how I’m feeling now, and the word people choose to apply to that is not that relevant.

This experience serves as a lesson for the future: I will pay more attention to the symptoms, and earlier, should this happen again.

Given that I can begin to think about doing things after work again, what about side projects? Honestly, most of these hobby projects I discuss in this blog end up being sort of vaporware and not becoming anything usable. And honestly, the main thing I plan to change is to stop feeling bad about it. It’s okay. The world is not in a pressing need for a new programming language or a new shell. The computing world can take care of itself. But these projects are fun to work on anyway. I can learn a lot by working on those things, and if I can share a little bit of what I learn with you through this blog (or elsewhere), that’s probably more useful than the projects themselves. And not everything we do has to be useful anyway. I am reminded of the words of Alan Perlis:

“I think that it’s extraordinarily important that we in computer science keep fun in computing. When it started out, it was an awful lot of fun. Of course, the paying customers got shafted every now and then, and after a while we began to take their complaints seriously. We began to feel as if we really were responsible for the successful, error-free perfect use of these machines. I don’t think we are. I think we’re responsible for stretching them, setting them off in new directions, and keeping fun in the house. I hope the field of computer science never loses its sense of fun. Above all, I hope we don’t become missionaries. Don’t feel as if you’re Bible salesmen. The world has too many of those already. What you know about computing other people will learn. Don’t feel as if the key to successful computing is only in your hands. What’s in your hands, I think and hope, is intelligence: the ability to see the machine as more than when you were first led up to it, that you can make it more.”

In 2023, I hope to be able to play a little bit more with these projects, to discuss my ideas about them in this blog even if they don’t go anywhere, to share a little bit of what I learn, and overall, to worry less about stuff. But I also hope to spend more time away from computers, reading books, singing, trying to play instruments, and even out there in the (shudder) Real World.

I wish everyone a Happy New Year, and may we live fulfilling lives, whatever that means for each one of us.

2 comentários / comments

#255

2020-03-19 22:53 +0000. Tags: about, life, mind, ramble, in-english

It's been a while since I last posted here. Many things have happened in the meantime, including a global pandemic. But also a move to Lisbon, a new job, and meeting lots of great people. Not a bad beginning of year, on balance.

Life has not been quite the piece of cake either. Every person has their problems, ghosts and flaws that we have to learn to overcome and to live with – those things are not mutually exclusive, really. Turns out you can practice both self-compassion and self-improvement.

This blog has been around for 8 years now. I'm glad it has lasted so long, and I hope it lasts yet longer. My presence in various social networks has waxed and waned over the years, but this blog (and the website as a whole) has been my permanent corner on the Internet. A consistent bit of life (and a good one at that) across changes in residence (six, if I count correctly), jobs, moving from academia to industry, and now moving from one country to another. Readership has also been relatively consistent – small but consistent – and I'm glad to have you fellow readers to share stuff with.

I hope to start posting more frequently here again. I'll be happy if I succeed in posting at least once or twice per month, but I won't promise any numbers.

As the first post of 2020, I'll finish with a late new year, but timely equinox resolution:

To not live ruled by fear.

Wish everyone a happy equinox, and may the sun shine for us in complicated times.

1 comentário / comment

More blogging, less twittering

2019-09-09 22:33 -0300. Tags: life, mind, about, in-english

It's been a while since I last posted on this blog. I've been travelling, and also interviewing for a new job; I'll have more to say about that in the future. Now that things have settled down a bit, I intend to start blogging more again.

Aside from that, I intend to start spending less time on Twitter. I've long been in a love/hate relationship with Twitter, and the hate side of it is starting to win out, for a variety of reasons:

Mastodon isn't much better. It does not have some of Twitter's misfeatures, such as trying to push a non-chronological timeline onto users, and it has the advantages of being decentralized and community-oriented, but the experience is very similar to that of Twitter. I think these problems are related to the media of microblogging, rather than a specific platform.

Traditional blogs can be addictive too. I follow hundreds of blogs via RSS, and sometimes I feel like refreshing my feeds every now and then to see if there is something new. But blog posts typically take more time to write, so updates are not so frequent, so the incentive to keep refreshing them several times a day is not so strong. It's also easier to keep track of unread posts and read them at a later time. Finally, blog posts tend to be much more informationally nutritious than tweets or toots.

At the same time I start to use Twitter less, I would like to start posting more here. I still have to figure out what to do with content that seems too short for a blog post – for example, if I just want to share a link to a video, or a little command I learned. One solution is to accumulate those and post them in weekly installments. Another is just to go ahead and post short posts, but I don't really want to pollute the blog with a plethora of micro-posts. Yet another is to create a separate page for the micro-posts. I'm currently more inclined towards the first option.

That's it, folks. Have a nice week!

3 comentários / comments

Português ou English?

2019-04-15 00:36 -0300. Tags: about, in-english, em-portugues

[This post is also available in English.]

Faz alguns anos que eu comecei a postar algumas coisas em inglês neste blog. Inicialmente, os posts em inglês eram limitados primariamanete a tópicos em que eu julgava que seria mais útil escrever para uma audiência internacional, especialmente os posts sobre Lisp e design de linguagens de programação. De uns tempos para cá, entretanto, os posts em inglês têm sido maioria – em parte porque o tópico principal do blog ultimamente tem sido Lisp e design de linguagens de programação, mas eu tenho escrito uma porção de posts sobre outros tópicos em inglês também.

De uns tempos para cá eu vejo nos logs do blog acessos regulares de outros países (incluindo de clientes de RSS, i.e., leitores regulares). Eu me pergunto: seria o caso de 'oficialmente' passar a postar primariamente em inglês? É uma questão complicada. Por um lado, creio que os meus leitores regulares do Brasil (os que eu conheço, anyway) lêem em inglês sem problemas. Por outro lado, eu posso acabar deixando de atingir leitores em potencial que não saibam inglês mas que se interessariam pelo blog. (Eu também posso ter leitores regulares que eu não conheço e que só lêem em português.)

No final das contas, eu vou continuar publicando em ambas as línguas, com a escolha dependendo do tópico. A dúvida é em que língua publicar quando se tratam de posts pessoais, ou sobre assuntos em que eu não vejo uma clara vantagem de publicar em uma língua ou outra. Uma possibilidade é escrever tudo em ambas as línguas, mas isso produz uma fadiga que eu gostaria de evitar. (Uma vantagem de escrever em português é a quantidade de referências não-traduzíveis que eu posso espalhar nos textos.)

Assim, pergunto a vós, queridos leitouros e leitouras: em que língua preferis que eu escreva? Deixe sua opinião nos comentários, e vamos ver no que isso dá.

[English version follows.]

It's been a few years since I started writing some posts in English in this blog. Initially, the posts in English were limited primarily to topics where I judged it would be more useful to write to an international audience, especially posts about Lisp and programming language design. For a while now, however, most of the recent posts have been in English – in part because the main topic of of the blog as of late has been Lisp and programming language design, but I have been writing about other topics in English too.

Lately I have been observing regular accesses from other countries in the blog logs (including from RSS clients, i.e., regular readers). I wonder: might it be the case to start 'officially' posting primarily in English? It's a complicated matter. On the one hand, I believe my regular Brazilian readers (the ones I know anyway) can read English too. On the other hand, I may end up leaving out some potential readers who don't know English but would find the blog interesting. (I may also have regular readers I don't know who can only read Portuguese, but that does not seem likely.)

In the end, I will keep publishing in both languages, choosing language according to the topic. The question is which language to use in personal posts, or posts on subjects where I don't see a clear advantage of publishing in one language or the other. One possibility is to write everything in both languages, but that's a bit more work than I would like to have.

So I ask of ye, dear readers: which language do you prefer me to write in? Leave your opinion in the comments, and let's see how it goes.

3 comentários / comments

~vbuaraujo será desativado, atualize seus links

2018-05-22 18:24 -0300. Tags: about, em-portugues

Leitouros e leitouras,

Assim como eu me livrei da UFRGS, a UFRGS se livrou de mim, e nas próximas semanas a minha página pessoal antiga (inf.ufrgs.br/~vbuaraujo) deixará de funcionar.

Peço humildemente àqueles que têm links para este blog que os atualizem para o endereço atual (https://elmord.org/blog/).

Meu e-mail da INF seguirá funcionando (ou assim me hão prometido).

Awey.

Comentários / Comments

Resolução de ano novo

2018-01-01 22:55 -0200. Tags: life, mind, about, em-portugues

Eu não sou muito fã de resoluções de ano novo, por uma variedade de motivos, mas como resolução tentativa de ano novo eu escolho a seguinte:

Preocupar-se com as coisas que importam, e não se preocupar com as coisas que não importam.

Obviamente, o que importa e o que não importa é inteiramente subjetivo. Mas isso não importa.

Desejo a todos um feliz ano novo, e espero em breve voltar a escrever mais por aqui.

1 comentário / comment

elmord.org

2017-02-10 23:52 -0200. Tags: about, comp, web, em-portugues

Então, galere: este blog está em vias de se mudar para elmord.org/blog. Eu ainda estou brincando com as configurações do servidor, mas ele já está no ar, e eu resolvi avisar agora porque com gente usando já tem quem me avise se houver algo errado com o servidor novo.

(Incidentalmente, eu também me mudei fisicamente nas últimas semanas, mas isso é assunto para outro post.)

Mas por quê?

Eu resolvi fazer essa mudança por uma porção de motivos.

O plano qüinqüenal

Eu ainda não sei se essa migração vai ser definitiva (vai depender da estabilidade e performance do servidor novo), então pretendo fazê-la em dois passos:

Servidor novo como réplica do atual. Inicialmente, tanto o elmord.org/blog quanto o inf.ufrgs.br/~vbuaraujo/blog vão ficar servindo o mesmo conteúdo. As páginas do elmord.org ficarão apontando o inf.ufrgs.br como link canônico, i.e., search engines e afins vão ser instruídos a continuar usando a versão no inf.ufrgs.br como a versão "oficial" das páginas. Os comentários de ambas as versões serão sincronizados periodicamente (o que dá para fazer com rsync porque os comentários são arquivos texto).

Redirecionamento para o servidor novo. Se daqui a alguns meses eu estiver suficientemente satisfeito com o funcionamento do servidor novo, ele passa a ser o oficial, as páginas param de incluir o header de link canônico para o blog antigo, e o blog antigo passa a redirecionar para as páginas correspondentes do novo. Se eu não me satisfizer com o servidor novo, eu tiro ele do ar, o inf.ufrgs.br continua funcionando como sempre, e fazemos de conta que nada aconteceu.

EOF

Por enquanto é só. Se vocês encontrarem problemas com o site novo, queiram por favor reportar.

6 comentários / comments

Essa vida mulambda

2016-09-14 23:23 -0300. Tags: about, life, mind, em-portugues

Pois então, galera. Faz um bocado de tempo que eu não dou as caras por estas terras de Entre-Douro-e-Minho, por uma porção de motivos.

Emprego

Eu comecei a trabalhar no final de julho, o que me deixou com menos tempo livre para dedicar às atividades blogareiras. Além disso, eu chego em casa com variáveis graus de cansaço, e conseqüentemente menos inclinado a sentar e escrever. (Ultimamente eu tenho chegado menos cansado do que inicialmente, talvez porque eu agora eu já tenha me acostumado melhor com a rotina. Mas eu ainda continuo chegando com uma certa dose de zonzeira na cabeça, o que eu desconfio que tem mais a ver com o barulho do ônibus e do ar-condicionado do serviço do que com cansaço em si, mas ainda não testei essa hipótese.)

Quanto ao trabalho, está sendo bem bacaninha. Estou trabalhando como desenvolvedor Python, que das linguagens mais mainstream acho que é a que eu mais gosto, e tenho aprendido bastante coisa sobre as tecnologias da modinha (plot twist: elas são úteis). A única coisa não muito empolgante é que estamos trabalhando sobre uma codebase herdada de uma outra empresa, e que foi desenvolvida usando técnicas de programação um tanto quanto, digamos, interessantes.

Outra coisa que eu descobri por lá é que o futuro do subjuntivo irregular ("fizer", "tiver", etc.) está mais morto do que eu pensava, mas isso é assunto para outra ocasião.

Mestrado

Outra coisa que eu tinha (e tenho) tomando meu tempo livre é o mestrado, e o tempo que não era comido pelas atividades do mestrado era comido pela preocupação de achar que devia estar fazendo as atividades do mestrado. Depois de ter tido um segfault na cabeça no fim-de-semana retrasado tentando terminar um paper para semana passada, eu decidi parar de me preocupar com o mestrado por enquanto, o que em termos de saúde mental parece ter sido uma ótima decisão. Eu pretendia falar um pouco mais sobre a situação do mestrado, mas acho que vai ficar para depois de eu o ter concluído (ou de eu ter sido chutado dele por timeout).

Mudança de workflow

Normalmente, meu workflow para escrever um post é: (1) pegar um tópico; (2) escrever sobre o tópico até exaustão (tanto do tópico quanto do autor) por qualquer quantidade de tempo entre duas e oito horas; (3) reler o post (com variáveis graus de exaustividade) para ver se ficou algum erro de digitação ou redação; (4) publicar o post (e descobrir erros depois anyway). Às vezes eu até começo em um dia e continuo em um outro, mas no geral vai tudo em uma sentada. Uma conseqüência disso é que eu já sei de antemão que escrever um post vai tomar um bocado de tempo, então eu acabo só me sentindo inclinado a escrever quando eu sei que vou ter rios de tempo livre sem interrupções. (Outra conseqüência disso são os famosos posts de 20k, tão apreciados pelos leitores.)

Agora que eu não tenho mais rios de tempo livre contíguo com tanta freqüência, esse workflow está sendo um tanto quanto sub-ótimo (vide quantidade de posts nos últimos dois meses). Estou pensando se não é o caso de eu começar a escrever posts menores e splitar tópicos em múltiplos posts, mas não sei até que ponto isso é uma boa idéia. Faz umas semanas que eu tenho pensado em escrever um post sobre alguns fatos [que eu acho] interessantes sobre os números nas línguas indo-européias, mas isso é um post que tomaria bastante tempo tanto para a escrita em si quanto para pesquisar/conferir os fatos antes de escrever. Não sei se faz sentido separar o tópico em múltiplos posts e ir postando uma série de posts pequenos, ou se é melhor escrever um post só em várias sentadas e publicar tudo de uma vez no fim do ano. Eu prefiro ler esse tipo de informação toda de uma vez, mas eu sei que pelo menos alguns dos leitores não partilham da mesma preferência. (On the other hand, eu não sei se esses mesmos leitores leriam a mesma informação espalhada em múltiplos posts. So there's that.)

Mas essa é a sua opinião, ele já tem outra opinião, ué. Qual a sua opinião?

On another note

Unrelated com qualquer coisa, por ser ano eleitoral, eu implementei a mui lendária e prometida lista de comentários recentes na sidebar do blog no domingo passado. Espero que ela traga muitas alegrias a todos. Votem em mim para déspota universal.

12 comentários / comments

Anúncio: Estou procurando trabalho

2016-07-06 22:27 -0300. Tags: life, about, em-portugues

[Update (20/07/2016): Consegui um emprego. Dismiss!]

Pois então, galera. Por um momento eu achei que ia conseguir uma vaga como professor substituto no INF e todos os meus problemas financeiros estariam resolvidos (pelo menos durante o um ou dois anos de validade do concurso). Alás*, embora eu tenha conseguido um 9,8 na prova escrita do concurso, o pessoal que tinha doutorado passou na minha frente na pontuação por títulos e publicações, e eu acabei em 3º lugar. Ainda pode ser que me chamem no decorrer dos próximos dois anos, mas infelizmente eu preciso comer e pagar as contas nesse meio tempo.

Assim, estou atrás de trabalho. Isso inclui tanto empregos (como desenvolvedor, sysadmin e afins, e também como professor, instrutor, etc.) quanto serviços como free-lancer (com desenvolvimento de programas, sites, instalação e suporte de redes e servidores, e até formatando o PC e desinstalando as toolbars dos seus conhecidos).

Se você souber de alguma oportunidade, ou puder me recomendar para alguma empresa ou conhecido, ou tiver alguma dica, ou qualquer outro feedback, queira entrar em contato (ou passar meu contato, conforme aplicável). Se alguém quiser meu telefone para passar para alguém, pode me pedir por e-mail (no momento eu estou um pouco receoso de pôr meus telefones online, mas talvez eu acabe fazendo isso). Dou preferência para oportunidades na grande Porto Alegre, ou serviços que eu possa realizar remotamente, mas dependendo do emprego posso considerar me mudar.

Meanwhile, eu pretendo voltar a trabalhar em projetos pessoais, pois (1) pode ser que minhas experiências com linguagens de programação rendam alguma coisa que eu possa pôr no curriculum; (2) eu espero aprender um bocado de coisas com eles (em particular, eu tenho pensado em reviver o lows como testbed para experiências com sistemas de tipos e outras features, e para experimentar com técnicas de compilação); e (3) uma sábia esquimó uma vez disse: "Não deixe de fazer as coisas que gosta no presente pra poder fazer elas no futuro – pode ser que o futuro nunca chegue", e cada vez isso me parece mais verdade.

_____

* Turns out que alas vem do francês arcaico "a las". "Las", por sua vez, vem do latim "lassus", cansado (cf. lasso, lassidão). Visto a origem latina da palavra, eu me vejo ainda mais inclinado a incorporar "alás" à língua portuguesa.

5 comentários / comments

Blog multilíngüe

2015-05-31 00:19 -0300. Tags: about, em-portugues

Faz uma porção de tempo que eu venho considerando a possibilidade de postar algumas coisas em inglês por aqui. Isso é uma coisa que ainda me deixa meio receoso, mas tem algumas situações em que eu acho que postar em inglês seria mais útil, seja para o mundo (e.g., posts sobre o Chicken, em que a comunidade de usuários é pequena (acho) e limitar a audiência a falantes de português seria muito... limitante), seja para mim (e.g., posts sobre design de linguagens de programação, em que eu hipoteticamente poderia ter feedback de mais gente se eu escrevesse em inglês), seja para ambos (e.g., posts sobre o lash, ou conlanging).

Pronto, falei.

Eu pensei em criar um blog separado para postar em inglês, mas aí pensei que isso seria inconveniente para os leitores usuais (todos os quais falam inglês anyway, dos que eu conheço), que teriam que olhar em dois lugares diferentes para ver se há posts novos. Por ora, o que eu provavelmente vou acabar fazendo é postar tudo aqui e usar uma tag english nos posts em inglês, até eu arranjar uma solução melhor.

Na verdade, desde antes dos primórdios deste blog, uma das motivações originais para eu escrever meu próprio blog system ao invés de usar um pronto era implementar suporte a multilingualismo "the right way". Eu estive pensando sobre isso e me dei conta de que é mais complicado do que parece. Por exemplo:

Enfim, nada muito difícil de implementar, na verdade, mas é um bocado de coisas que eu não tinha parado para pensar antes.

4 comentários / comments

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (144) prog (70) in-english (58) life (48) pldesign (36) unix (36) lang (32) random (28) about (28) mind (26) lisp (24) mundane (22) fenius (21) web (20) ramble (18) img (13) hel (12) rant (12) scheme (10) privacy (10) freedom (8) copyright (7) academia (7) music (7) lash (7) esperanto (7) bash (7) shell (6) home (6) mestrado (6) android (5) misc (5) emacs (5) conlang (5) politics (4) latex (4) etymology (4) book (4) editor (4) worldly (4) php (4) kbd (3) security (3) tour-de-scheme (3) c (3) film (3) wrong (3) network (3) cook (2) poem (2) wm (2) treta (2) comic (2) philosophy (2) lows (2) llvm (2) physics (2) golang (1) perl (1) old-chinese (1) x11 (1) en-esperanto (1) audio (1) translation (1) kindle (1) german (1) pointless (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2023 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.