Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Sometimes in English.

Doing web stuff with Guile

2018-02-19 22:35 -0300. Tags: comp, prog, lisp, scheme, web, in-english

A few days ago I started working on Parenthetical Blognir, a rewrite of Blognir in Guile Scheme. In this post I'd like to talk a bit about some things I learned in the process.

Interactive development

I did the development using Geiser, an Emacs package for interactive Scheme development. It can connect with a running Scheme, and you can evaluate code from within Emacs, have completion based on the currently available bindings, etc.

The coolest part of this is being able to reevaluate function and class definitions while the program is running, and seeing the effects immediately. In this sense, GOOPS (the Guile Object Oriented Programming System, inspired by the Common Lisp Object System) is really cool in that you can redefine a class and the existing instances will automatically be updated to reflect the new class definitions (unlike, say, Python, in which if you redefine a class, it's an entirely new class, and instances of the old class will have no relationship with the new class).

One thing I realized is that you have to adapt your program a bit if you want to make the most of interactive development. For example, in Guile's web framework, there is a procedure (run-server handler), which starts up the web server and calls handler to serve each request. My request handler was a procedure named handle-request, so my code called (run-server handle-request). The problem is that this way run-server will be called with the value of handle-request at the time we started the server, and subsequent redefinitions of handle-request while the server is running will have no effect on the running server. Instead, I ended up writing something like:

(start-server (lambda (request body)
                (handle-request request body)))

I.e., instead of calling handle-request directly, the server will call the anonymous function which, when called, will call handle-request. In this way, it will use the value of handle-request at each time the anonymous function is called, so it will see changes to the definition.

Another thing to take into account is that there may be some bindings you don't want to redefine when you reload a module, e.g., variables holding program state (in my case, a variable holding the blog object). For that, Guile provides a define-once form, which only defines a variable if it doesn't already exist.

One gotcha I encountered was when using parameters, the Scheme world equivalent of dynamically-scoped variables. Parameters in Guile have per-thread independent values, and since the web server and the REPL run in different threads, they may see different values for the same parameter. I ended up not using parameters anyway for other reasons (more on that later).

(web server)

Guile comes with a web framework of sorts, though it is pretty bare-bones. (Actually the main thing I missed in it was having to parse the request query and POST data by hand. At least it does provide a function to percent-decode URL components.) It has a philosophy of pre-parsing all headers into structured data types as a way of avoiding programming errors. It's an interesting idea; I have mixed feelings about it, but I think it's a valid idea to build a framework on (after all, if you're going the trouble of making a new framework, you might as well try some new ideas rather than creating yet another run-of-the-mill web framework).

You start the server by calling run-server with a callback (as mentioned above). Whenever a new request comes, the callback will be called with a request object and the request body as a bytevector. The callback must return (at least1) two values: a response object and a response body. Guile allows some shortcuts to be taken: Instead of a response object, you can pass an association list of response headers and the framework will automatically make a response object out of it. The response body may be either a string (which will be automatically encoded to the proper encoding, usually UTF-8), a bytevector, or a procedure; in the latter case, the procedure will be invoked with a port as an argument, and whatever you print to that port will be sent as the response body.

Rendering HTML

Guile comes with support for SXML, an S-expression based tree representation of XML. This means you can write things like:

(sxml->xml `(div (@ (class "foo"))
                 "Hello, world"))

and it will emit <div class="foo">Hello, world</div>. The nice thing is that strings appearing in the tree will be automatically escaped approprietely, so you don't have to worry about escaping (or forgetting to escape) data that may contain special characters, such as <, > or &.

That very feature was at first what led me not to want to use SXML, appealing though it was, to render Blognir pages. The reason is that post contents in Blognir come raw from a post file; I didn't want to parse the file HTML contents into SXML just to dump it again as HTML in the output2, and I saw no way to insert a raw string in the middle of an SXML tree bypassing the escaping in the output. So I began this adventure by printing chunks of HTML by hand. At some points I needed to escape strings to insert them in the HTML, so I wrote a small wrapper function to call sxml->xml on a single string and return the escaped string (by default sxml->xml prints to a port rather than returning a string).

When I got to the post comments form, where I have to do a lot of escaping (because all field values have to be escaped), I decided to use sxml->xml for once, for the whole form, rather than escaping the individual strings. I found it so nice to use that I decided to look up the source code for sxml->xml to see if there wasn't a way to insert raw data in the SXML tree without escaping, so I could use it for the whole page, not just the form. And sure enough, I found out that if you put a procedure in the tree, sxml->xml will call that procedure and whatever it prints is emitted raw in the result. This feature does not seem to be documented anywhere. (In fact, the SXML overview Info page says (This section needs to be written; volunteers welcome.). Maybe that's up to me!) By that point I had already written most of the rest of the page by printing HTML chunks, and I did not go back and change everything to use SXML, but I would like to do so. I did use SXML afterwards for generating the RSS feeds though, with much rejoicing.

Parameters – or maybe not

Parameters are used for dynamically scoped values. They are used like this:

;; 23 is the initial value of the parameter.
(define current-value (make-parameter 23))

(define (print-value)
  (display (current-value))
  (newline))

(print-value)                           ;; prints 23

(parameterize ([current-value 42])
  (print-value))                        ;; prints 42

(print-value)                           ;; prints 23 again

My original plan was to create a bunch of parameters for holding information about the current request (current-query, current-post-data and the like), so I wouldn't have to pass them as arguments to every helper request handling function; I would just bind the parameters at the main handle-request function, and all functions called from handle-request would be able to see the parameterized values.

The problem with my plan is that instead of returning the response body as a string from handle-request, I was returning a procedure for the web framework to call. By the time the procedure was called, handle-request had already finished, and the parameterize form was not in effect anymore. Therefore the procedure saw the parameters with their initial value rather than the value they had when the procedure was created. Oops!

Because closures don't close over their dynamic scope (that's kinda the whole point of dynamic scope), parameters ended up not being very useful for me in this case. I just passed everything as, ahem, parameters (the conventional kind) to the subfunctions.

Performance tuning

Despite its crude design, the original Blognir is pretty fast; it takes around 1.7ms to generate the front page in my home machine. I got Parenthetical Blognir at around 3.3ms for now. I'm sure there are still optimizations that can be done, and I may still try some things out, but right now I don't have any pressing need to make things faster than that.

I did learn a few things about optimizing Guile programs in the process, though. I used the ab utility (package apache2-utils on Debian) to measure response times, and Guile's statistical profiler to see where the bottlenecks were. I did not keep notes on how much impact each change I did had on performance (and in many cases I changed multiple things at the same time, so I don't know the exact impact of each change), but I can summarize some of the things I learned.

Conclusion

In general, I liked the experience of rewriting the blog in Guile. It was the first time I did interactive Scheme development with Emacs (previously I had only used the REPL directly), and it was pretty cool. Some things could be better, but I see this more as an opportunity to improve things (whether by contributing to existing projects, by writing libraries to make some things easier, or just as things to take into account if/when I decide to have a go again at trying to make my own Lisp), rather than reason for complaining.

There are still a few features missing from the new blog system for feature parity with the current one, but it already handles all the important stuff (posts, comments, list of recent comments, filtering by tag, RSS feeds). I hope to be able to replace the current system with the new one Real Soon Now™.

_____

1 If you return more than two values, the extra values will be passed back to the callback as arguments on the next call. You can use it to keep server state. If you want to use this feature, you can also specify in the call to run-server the initial state arguments to be passed in the first call to the callback.

2 And my posts are not valid XML anyway; I don't close my <p> tags when writing running text, for instance.

3 There is also a format binding in the standard environment. It may point to either simple-format or the (ice-9 format) format, depending on whether (ice-9 format) has been loaded or not.

Comentários

Some thoughts on Twitter and Mastodon

2017-06-25 01:32 -0300. Tags: comp, web, privacy, freedom, life, mind, in-english

Since the last post I've been using Mastodon as my primary microblogging platform for posting, but I was still regularly reading and retweeting stuff on Twitter. A while ago Twitter started reordering tweets in my timeline despite my having disabled that option, just as I said could eventually happen (except much earlier than I expected). The option is still there and is still disabled, it's just being ignored.

Twitter brought me much rejoicing during the years I used it. I follow a lot of cool people there and I've had lots of nice interactions there. I found myself asking if I should accept some abuse from Twitter to keep interacting with those people, and I've been shocked at myself for even asking myself that. I've been using Twitter less and less as of late. (I'd like to be able to say I did it out of principles, but to be completely truthful I find the non-chronological timeline utterly annoying, and that has had as much to do with my leaving as principles.)

Although I switched to Mastodon as my Twitter replacement, Mastodon is not really "another Twitter". Having 500 rather than 140 characters to write initially felt like learning to talk again. Early on when I started using Mastodon, I was going to reply to a person's toot (that's what posts are called in Mastodon) with a short, not-really-one-full-sentence line that is the norm in Twitter. I wrote it down and was like "no, this kind of grunting a half-thought is not going to cut it here". It felt like Twitter's 140 character limit not only limited the kinds of things you could say, but also imposed/favored a "140-character mindset" of not finishing lines of thought or thinking with much depth. As I went on using Mastodon, I found myself writing thoughts I wouldn't have even tried to write in Twitter.

I still open up Twitter once in a while. Today I opened the mobile version in my desktop browser and noticed that the mobile version still shows a chronological timeline, still doesn't pollute the timeline with liked-but-not-retweeted tweets, and is much faster and cleaner than the desktop version. (I still have to un-fix the navigation bar via CSS, but I already had to do that in the desktop version anyway.) It's tempting to start using Twitter again through the mobile version, while it doesn't catch up with the new "features". I know I shouldn't, though. Even if the mobile version never caught up with the misfeatures (I suppose it eventually will, probably in short time), Twitter has already shown they're willing to throw stuff down their users' throats in the name of – what? I'm not even sure. Maybe they want to make Twitter more Facebook-like to attract Facebook users, even if that means alienating the people who used Twitter exactly because it was not like Facebook?

The funny thing is Twitter could simply provide some options for users to control their experience ("(don't) show tweets liked by your followers", "(don't) show tweets you liked to your followers", "(don't) reorder tweets" (the last one is already there, it just doesn't work)). This way they could cater to whatever new audience they have in mind and keep the users who liked how Twitter used to work. They just don't care to. I'm not really sure what are the motivations and goals behind Twitter's actions. For a really long time before the last changes it had been showing the "you might like" box (even if you clicked the "show me less like this" option (the only way to dismiss it) every time) and the "you might like to follow" box (even if you dismissed that too, and even though it also showed undimissable follow suggestions on the right pane anyway). I used to open Twitter pretty much every day, so it didn't really make sense as a user retention strategy. Maybe they want to incentivize people to do specific things on Twitter, e.g., throw in more data about themselves? (Yeah, there was the "add your birthday to your profile" periodic thing too.)

Meh.

3 comentários

Why the new like-based Twitter timeline is terrible

2017-05-31 21:56 -0300. Tags: comp, web, privacy, in-english

Recently, tweets which people I follow 'liked' (but not retweeted) started showing up in my Twitter timeline. Twitter had been showing the "you might like" box with such tweets for quite a long time, but they were separate from normal tweets, and you could dismiss the box (it would come back again after a while, though). Now those 'liked' tweets are showing up intermingled with the normal tweets, and there is no option to disable this.

Now, Twitter has been working hard on its timeline algorithms lately, and, at least initially, the liked tweets it added to my timeline were indeed stuff I liked, and they constituted just a small part of total tweets. That's not the case anymore: now liked tweets seem to be about one third of all tweets I see, and a smaller proportion of them interest me. Moreover, I simply don't want to see that many tweets. If I'm seeing all tweets I used to see plus liked tweets, and liked tweets comprise about a third of all tweets I see now, then I'm seeing about 50% more tweets, and I simply don't have the patience for so much tweetering; I already limit the number of people I follow so as to keep my timeline manageable.

But even if Twitter's algorithms were perfect and showed me only things I wanted to see in an ideal quantity, showing liked-but-not-retweeted tweets would already be bad, for a number of reasons:

As Twitter keeps trying brave new ways of monetizing its users, it's probably going to become more problematic from a privacy perspective. Meanwhile, we now have a quite viable decentralized, free, and usable social network (and I'm already there). The sad thing is that most of the people I follow will probably not migrate from Twitter, but as Twitter keeps getting worse in matters of privacy, transparency and usability, I'm becoming more inclined to leave it, as I have done before.

Update (2017-06-13): Today my Twitter timeline showed up out of order, at least temporarily, even though the "Show me the best Tweets first" options still appears disabled. That one came quick.

1 comentário

elmord.org

2017-02-10 23:52 -0200. Tags: about, comp, web

Então, galere: este blog está em vias de se mudar para elmord.org/blog. Eu ainda estou brincando com as configurações do servidor, mas ele já está no ar, e eu resolvi avisar agora porque com gente usando já tem quem me avise se houver algo errado com o servidor novo.

(Incidentalmente, eu também me mudei fisicamente nas últimas semanas, mas isso é assunto para outro post.)

Mas por quê?

Eu resolvi fazer essa mudança por uma porção de motivos.

O plano qüinqüenal

Eu ainda não sei se essa migração vai ser definitiva (vai depender da estabilidade e performance do servidor novo), então pretendo fazê-la em dois passos:

Servidor novo como réplica do atual. Inicialmente, tanto o elmord.org/blog quanto o inf.ufrgs.br/~vbuaraujo/blog vão ficar servindo o mesmo conteúdo. As páginas do elmord.org ficarão apontando o inf.ufrgs.br como link canônico, i.e., search engines e afins vão ser instruídos a continuar usando a versão no inf.ufrgs.br como a versão "oficial" das páginas. Os comentários de ambas as versões serão sincronizados periodicamente (o que dá para fazer com rsync porque os comentários são arquivos texto).

Redirecionamento para o servidor novo. Se daqui a alguns meses eu estiver suficientemente satisfeito com o funcionamento do servidor novo, ele passa a ser o oficial, as páginas param de incluir o header de link canônico para o blog antigo, e o blog antigo passa a redirecionar para as páginas correspondentes do novo. Se eu não me satisfizer com o servidor novo, eu tiro ele do ar, o inf.ufrgs.br continua funcionando como sempre, e fazemos de conta que nada aconteceu.

EOF

Por enquanto é só. Se vocês encontrarem problemas com o site novo, queiram por favor reportar.

6 comentários

Como evitar que Google, Facebook, Twitter e a NSA saibam por onde você anda na Web

2013-07-13 22:53 -0300. Tags: comp, web, privacy

Agora que é um fato público e conhecido que os dados que você entrega ao Google, Facebook e companhia não estão em boas mãos (e se você acha que está tudo bem, queira assistir um videozinho), pode ser uma boa você reduzir a quantidade de informação a que eles têm acesso.

E graças aos botões de "Curtir", "Tweet", "+1" e similares, bem como as propagandas do Google, o Google Analytics, e o uso extensivo do googleapis.com, essas empresas recebem informação suficiente para ter uma boa idéia de por onde você anda na Web, mesmo quando você está navegando páginas fora desses serviços, a menos que você tome os devidos cuidados.

Existe um bocado de addons que você pode instalar no Firefox para reduzir a possibilidade tracking. (Se você usa o Chrome, é mais fácil você começar a usar o Firefox). Neste post, listo alguns deles e explico como eles podem ser usados para esse fim.

AdBlock Plus

O AdBlock Plus é um addon bem conhecido cujo uso primário é bloquear propagandas. Por si só, isso já é um começo, pois evita que os servidores de propaganda possam trackeá-lo. Porém, o AdBlock pode ser usado para bloquear quaisquer itens indesejáveis de terceiros em páginas. Por exemplo, suponha que você deseja bloquear acessos de outras páginas para o Facebook (há maneiras mais convenientes de atingir esse objetivo, todavia):

  1. Vá a alguma página que faça acesso ao Facebook.
  2. Clique no ícone do AdBlock e selecione Open blockable items (ou Abrir itens bloqueáveis).

  3. Encontre algum dos acessos ao Facebook na lista e dê dois cliques sobre o mesmo.
  4. A janela que se abre apresentará várias possibilidades de regras de bloqueio. Selecione a mais apropriada (neste caso, facebook.net^; note que posteriormente você também deverá repetir o processo para o facebook.com).
  5. Clique no botão Advanced (ou Avançado). Este botão apresentará algumas opções adicionais à direita. Dentre elas, a mais útil é a Third-party only (ou Apenas terceiros); se marcada, essa opção impede o acesso ao facebook.net, exceto a partir do próprio facebook.net. Você pode achar isso útil se por algum diabo você ainda usa a rede social da NSA para se comunicar.

  6. Clique em Add filter (ou Adicionar filtro). Está feito!

Você pode bloquear outros sites (como facebook.com, twitter.com, google-analytics.com, scorecardresearch.com, etc.) da mesma maneira.

Por padrão, o AdBlock permite "ads não-intrusivos". Embora a idéia seja bem-intencionada, na prática isso significa que ele não bloqueia o Google por padrão, então é uma boa idéia desabilitar essa opção indo no menu do AdBlock, Filter preferences, primeira aba (Filter subscriptions), e desmarcar Allow some non-intrusive advertising.

Por padrão, o AdBlock faz atualizações automáticas da lista de sites a bloquear. Se você quiser evitar isso, abra o about:config, procure a opção extensions.adblockplus.subscriptions_autoupdate e dê dois cliques sobre ela para ajustá-la para false.

Disconnect

O Disconnect é um addon que já vem com uma lista padrão de sites de tracking conhecidos e bloqueia acessos aos mesmos a partir de sites de terceiros. Só descobri esse addon hoje, e como eu já uso o RequestPolicy, não cheguei a experimentá-lo direito, mas aparentemente ele funciona bem.

Smart Referer

Por padrão, sempre que o browser faz acesso a uma página a partir de outra (e.g., quando você clica em um link, ou quando uma página inclui uma imagem ou script de outra), o browser envia na requisição um header Referer, que diz qual é a proveniência do acesso (i.e., a página que continha o link ou a imagem ou script). O Smart Referer é um addon que faz com que o browser só envie esse header se a origem e o destino estiverem no mesmo domínio, o que impede o site de saber de onde você está vindo.

mencionei o Smart Referer antes por aqui, mas até recentemente não tinha me dado conta de quão importante ele é: uma quantidade enorme de sites usa serviços hospedados nos servidores do Google (jQuery, reCAPTCHA, Maps, entre outros), e por padrão, ao acessar esses serviços, o browser acaba informando ao Google pelo header Referer que página você está acessando. Com o Smart Referer, você evita enviar essa informação (a menos que o jQuery ou outro serviço se dê ao trabalho de enviar essa informação; pelo menos no caso do jQuery esse não parece ser o caso (ainda)).

O Smart Referer não exige configuração nenhuma, não adiciona ícone de toolbar nenhum, e faz o seu serviço quietinho sem incomodar ninguém.

HTTPS Everywhere

O HTTPS Everywhere é um addon mantido pela Electronic Frontier Foundation que traduz URLs HTTP de sites conhecidos para URLs HTTPS seguras. Por exemplo, toda vez que você acessa http://en.wikipedia.org, o addon substitui automaticamente a URL por https://en.wikipedia.org. Com isso, evita-se enviar informações não-encriptadas pela Web por descuido.

RequestPolicy

Um plugin que você pode achar útil é o RequestPolicy. Ele bloqueia todos os acessos de páginas a sites de terceiros por padrão (com exceção de uma pequena lista de acessos conhecidos, como por exemplo de wordpress.com para wp.com, e que você pode escolher na instalação), e permite adicionar exceções para sites individuais através de um ícone na barra de toolbars. O RequestPolicy é um dos plugins que melhor garante sua privacidade, às custas da inconveniência de ter que freqüentemente adicionar novas exceções para conseguir usar páginas. Ele também é útil para carregar páginas mais rápido em um 3G ou algum outro tipo de conexão lenta. Não recomendo muito para pessoas menos-que-paranóicas e que não vivam com uma conexão de 6kB/s, desde que você use alguma alternativa como o Disconnect.

Últimas observações

Uma lista de outros addons e serviços para assegurar melhor sua privacidade pode ser encontrada no PRISM Break.

Fugindo do assunto de addons, uma alternativa de serviço de e-mail para quem quer fugir do GMail é o SAPO, um provedor português. O SAPO Mail fornece 10GB de espaço e fica hospedado em Portugal, onde existe uma legislação decente de prote(c)ção de dados pessoais (dê uma olhada na política de privacidade dos camaradas).

2 comentários

Pidgin Off-the-Record

2013-06-07 21:33 -0300. Tags: comp, web, privacy

Acabei de descobrir um plugin chamado pidgin-otr (pacote pidgin-otr no Debian/Ubuntu), que permite realizar conversas encriptadas independentemente do protocolo de comunicação utilizado. O plugin funciona cifrando e decifrando mensagens individuais nos clientes, e transmitindo para o servidor o conteúdo cifrado como se fosse uma mensagem comum.

O plugin é bastante conveniente de usar. Para ativá-lo, basta instalar o pacote e habilitá-lo na janela de plugins do Pidgin (Tools > Plugins > Off-the-Record Messaging). A partir daí, as janelas de conversação apresentarão um ícone que permite iniciar uma conversa privada (desde que o outro usuário também possua o plugin). Pelo que eu entendi, uma vez que isso tenha sido feito para um usuário, conversas posteriores serão cifradas automaticamente por padrão.

Quem me contou foi o Reddit (em um post sobre a acesso da NSA a dados do Google, Apple, Facebook e diversas outras organizações estadunidenses).

3 comentários

fgetcsv: A cautionary tale

2013-05-18 01:52 -0300. Tags: comp, prog, web, php, rant

Quando eu reescrevi o blog system, eu resolvi manter o índice de posts em um arquivo CSV e usar as funções fgetcsv e fputcsv para manipulá-lo. Minha intuição prontamente me disse "isso é PHP, tu vai te ferrar", mas eu não lhe dei importância. Afinal, provavelmente seria mais eficiente usar essas funções do que ler uma linha inteira e usar a explode para separar os campos. (Sim, eu usei um txt ao invés de um SQLite. Eu sou feliz assim, ok?)

Na verdade o que eu queria era manter o arquivo como tab-separated values, de maneira que ele fosse o mais fácil possível de manipular com as ferramentas convencionais do Unix (cut, awk, etc.). As funções do PHP aceitam um delimitador como argumento, então pensei eu que bastaria mudar o delimitador para "\t" ao invés da vírgula e tudo estaria bem. Evidentemente eu estava errado: um dos argumentos da fputcsv é um "enclosure", um caractere que deve ser usado ao redor de valores que contêm espaços (ou outras situações? who knows?). O valor padrão para a enclosure é a aspa dupla. Acontece que a fputcsv exige uma enclosure: não é possível passar uma string vazia, ou NULL, por exemplo, para evitar que a função imprima uma enclosure em volta das strings que considerar dignas de serem envoltas. Lá se vai meu tab-separated file bonitinho. Mas ok, não é um problema fatal.

A segunda curiosidade é que a fgetcsv aceita um argumento "escape", que diz qual é o caractere de escape (\ por default). Evidentemente, você tem que usar um caractere de escape; a possibilidade de ler um arquivo em um formato em que todos os caracteres exceto o delimitador de campo e o "\n" tenham seus valores literais é inconcebível. Mas ok, podemos setar o escape para um caractere não-imprimível do ASCII (e.g., "\1") e esquecer da existência dele. Acontece que a fputcsv não aceita um caractere de escape, logo você não tem como usar o mesmo caractere não-imprimível nas duas funções. WTF?

Na verdade, agora testando melhor (já que a documentação não nos conta muita coisa), aparentemente a fputcsv nunca produz um caractere de escape: se o delimitador aparece em um dos campos, ele é duplicado na saída (i.e., a"b vira a""b). Evidentemente, não há como eliminar esse comportamento. Mas então o que será que faz o escape character da fgetcsv?

# php -r 'while ($a = fgetcsv(STDIN, 999, ",", "\"", "\\"))
             { var_export($a); echo "\n"; }'
a,z
array (
  0 => 'a',
  1 => 'z',
)
a\tb,z
array (
  0 => 'a\\tb',
  1 => 'z',
)

Ok, o escape não serve para introduzir seqüências do tipo \t. Talvez para remover o significado especial de outros caracteres?

a\,b,z
array (
  0 => 'a\\',
  1 => 'b',
  2 => 'z',
)
a b,z
array (
  0 => 'a b',
  1 => 'z',
)
a\ b,z
array (
  0 => 'a\\ b',
  1 => 'z',
)

Muito bem. Como vimos, o escape character serve para, hã... hmm.

Mas o fatal blow eu tive hoje, olhando a lista de todos os posts do blog e constatando que o post sobre o filme π estava aparecendo com o nome vazio. Eis que:

# php -r '
    $h = fopen("entryidx.entries", "r");
    while ($a = fgetcsv($h, 9999, "\t"))
       if ($a[0]=="20120322-pi") var_export($a);'
array (
  0 => '20120322-pi',
  1 => 'π',
  2 => '2012-03-22 23:53 -0300',
  3 => 'film',
)

# LC_ALL=C php -r '
    $h = fopen("entryidx.entries", "r");
    while ($a = fgetcsv($h, 9999, "\t"))
       if ($a[0]=="20120322-pi") var_export($a);'
array (
  0 => '20120322-pi',
  1 => '',
  2 => '2012-03-22 23:53 -0300',
  3 => 'film',
)

A próxima versão do Blognir deverá usar fgets/explode.

UPDATE: Aparentemente o problema só ocorre quando um caractere não-ASCII aparece no começo de um campo. Whut?

UPDATE 2:

"a b","c d"
array (
  0 => 'a b',
  1 => 'c d',
)
"a"b","c"d"
array (
  0 => 'ab"',
  1 => 'cd"',
)
"a\"b","c d"
array (
  0 => 'a\\"b',
  1 => 'c d',
)

5 comentários

Twitter via linha de comando

2013-05-07 14:27 -0300. Tags: comp, unix, web, about

Por falta de coisa mais interessante para fazer, e já que RSS não é exatamente a tecnologia da modinha, estou disponibilizando experimentalmente um feed do blog no Twitter. A continuidade do "serviço" está sujeita à existência de usuários. [Update: Pensando melhor, provavelmente todo o mundo que tem interesse em seguir blogs usa RSS. Enfim, o feed está aí, por enquanto.]

A parte interessante da história é que eu descobri um bocado de clientes de linha de comando do Twitter no processo. Dos que eu experimentei, o que melhor me satisfez foi o t. (Eu experimentei mais outros dois clientes: o TTYtter, um cliente interativo pra lá de bizarro, mas com mil features e aparentemente fácil de estender; e o twidge, que aparentemente não suporta UTF-8. Existem dúzias de outros clientes, como uma pesquisa no Google revela.)

Os poderes mágicos do t derivam do fato de ele ser particularmente conveniente de usar em scripts. Um exemplo extraído da documentação:

Favorite the last 10 tweets that mention you

t mentions -n 10 -l | awk '{print $1}' | xargs t favorite

É possível instalar o t pelo RubyGems, através do comando gem install t. Antes de instalá-lo, certifique-se de que você tem instalado o Ruby e o RubyGems (pacotes ruby, ruby-dev e rubygems no Debian/Ubuntu; não ter o ruby-dev é um problema comum).

Uma vez instalado, é necessário executar t authorize, para realizar o processo de registro da aplicação no Twitter e de autorização do acesso da aplicação à sua conta. Você pode executar t sem argumentos para ver uma lista dos comandos disponíveis. Para mais informações, dê uma olhada no README na página do projeto.

(Quem me contou foi essa página.)

4 comentários

To tweet or not to tweet

2013-04-07 22:41 -0300. Tags: life, comp, web, privacy

Dracula: "I'm all screwed"

Richter: "I am the instrument of your doom"

Dracula: "Perhaps not... not yet"

Richter: "What!?!?!"

???: "Richter! You killed my father! Prepare to die!"

Richter: "ALUCARD!!!"

Alucard: "You can't know... you'll never know how it feels..."

* TUM *

Richter: "NOOOOOOOO!"

– Castlevania, Hélio's edition

Há pouco mais de um ano eu abandonei o Twitter (well, not quite; eu só parei de postar lá, na verdade) por conta de eles terem vendido o acesso à base de tweets para umas empresinhas de mineração de dados. Há pelo menos metade desse tempo eu venho remoendo essa decisão.

Assumptions

Na época eu usava o Twitter com "tweets protegidos", i.e., apenas as pessoas que eu autorizei que me seguissem podiam ver os meus tweets. Eu assumia assim que apenas uns poucos conhecidos veriam o que eu estava postando.

Não é bem assim que a coisa funciona. Embora tweets protegidos não sejam retweetáveis, nada impede alguém capaz de ler um tweet de copiá-lo e retweetá-lo na mão. Retweets são uma feature fundamental do Twitter; não faz muito sentido contar com que algo postado no Twitter não vá ser retweetado. Proteger os tweets não melhora muito a situação.

Abandonemos, pois, a noção de que existe "publicidade seletiva" no Twitter: assumamos que "o que você diz no Twitter pode ser visto no mundo inteiro instantaneamente" (palavras dos termos de serviço, as it happens). E por "o mundo inteiro", leia-se o mundo inteiro. Na época da matrícula da UFRGS nesse ano eu vi alguns retweets da @ufrgsnoticias que provavelmente não estavam nos planos dos indivíduos retweetados e que eu fiquei cogitando comigo mesmo se não poderiam causar algum problema para os mesmos. Essa "falta de privacidade" é, me parece, uma propriedade fundamental do serviço Twitter, não um erro da companhia Twitter que o fornece. Assim (me parece), não faz sentido condenar o Twitter por esse tipo particular de falta de privacidade, mas tão-somente aprová-la ou não (e utilizar ou não o serviço de acordo).

(Essa falta de privacidade na verdade é uma propriedade compartilhada com blogs e páginas pessoais. No Twitter isso é um pouco mais acentuado pela facilidade de retweetar posts alheios, mas não é fantasticamente diferente. Essa "publicidade fundamental" é diferente do vazamento de informações pessoais para terceiros que não é fundamental para o serviço e não é do interesse do usuário. Mais sobre isso adiante.)

Ok, tweets são públicos. "Tweet privado" é praticamente uma contradição em termos. Aceitemos esse fato e tomemos por princípio que o Twitter só serve para postar coisas que não nos importamos de compartilhar com o mundo (e.g., links para coisas interessantes, recomendações de filmes/livros, etc.). Entendido isto, podemos seguir usando o Twitter com a consciência limpa.

Heh, não

Faltam dois problemas a considerar. O primeiro é o uso que se faz dessa informação além da mera publicação mundial. Isso inclui a venda ao acesso da base de tweets para as empresinhas de data mining, que foi a causa original do meu desgosto pelo Twitter.

Na verdade, o Twitter sempre vendeu o acesso a tweets, mesmo antes desse incidente; a diferença é apenas que o Twitter costumava limitar o acesso aos tweets dos últimos trinta dias. (O fato de que eles já brincavam de vender tweets antes não torna o ato de vender o acesso à base inteira nem mais nem menos ético, mas vamos adiante.)

O segundo problema são as outras informações que caem nas mãos do Twitter além dos tweets, e que uso o Twitter faz delas. Vamos por partes.

A miserable little pile of non-secrets

Pois, o Twitter vende, e sempre vendeu, o acesso a (porções da) base de tweets. Esses tweets são públicos para início de conversa*. A diferença entre baixá-los você mesmo e comprar o acesso é que as APIs do Twitter impõem certos limites na busca de tweets (e.g., aparentemente existe um limite de 1500 tweets nos resultados de buscas por termos), e que provavelmente a base é oferecida em um formato mais conveniente de manipular. (* Tweets protegidos são outra história. Eles vivem em um limbo questionável: a política de privacidade jamais menciona "tweets protegidos", então pelo menos para mim não está claro se eles são considerados informação pública (e conseqüentemente comercializável), ou se estão inclusos entre os dados pessoais que o Twitter diz não vender (o que não impede que o Twitter seja comprado e com ele seus dados, but I digress).)

A possibilidade de data mining, assim, pode aumentar com o fato de que o acesso à base de tweets é comercializado, mas ela não deixa de existir sem essa comercialização. Na verdade, a Internet inteira é alvo de data mining. Google (a organização) e outros mecanismos de busca já podem facilmente explorar toda informação pública na Internet, independentemente do seu consentimento. A diferença de postar no Twitter é facilitar a vida do Twitter e parceiros, mas postar em qualquer outro local público da web (como o identi.ca, ou seu blog pessoal) tem o mesmo risco.

É uma propriedade da Internet que toda informação pública é (em geral) facilmente acessível. Uma conseqüência disso é que coisas que antes eram muito difíceis (e.g., catar todas as notícias sobre um certo tópico ou pessoa nos jornais dos últimos N anos) agora são viáveis, e, junto com todas as vantagens que isso proporciona, vêm certas conseqüências negativas para a privacidade das pessoas. A sociedade vai ter que dar um jeito de se adaptar a isso, mas não é um problema do qual se possa escapar trocando o serviço em que essas informações serão publicadas (assumindo que se pretenda publicar essas informações para quem quer que as queira ler).

Fica a questão de se é ok o Twitter ganhar dinheiros vendendo acesso aos meus posts sem me pagar nada. Essa questão é sugerida como um exercício para o leitor.

The actual secrets

O segundo problema são os outros dados além dos tweets. Esses dados podem ser divididos em duas classes: os dados "inevitáveis", i.e., aqueles que o Twitter necessariamente obtém a partir do uso do serviço; e os dados "evitáveis", i.e., aqueles que você pode evitar mandar com um pouco de cuidado.

Os dados inevitáveis incluem:

Os dados evitáveis incluem:

Fica a questão de se é "certo" usar um serviço que coleta dados que você acha que ele não deveria coletar só porque você consegue burlar a coleta. A resposta depende de quão idealista você está se sentindo hoje.

Outros comentários

Uma desvantagem de usar um serviço centralizado para publicação de informações (e.g., Twitter, Blogger, Wordpress, Facebook (ok, o Facebook tem inúmeros outros problemas, but I digress)) é que os "dados inevitáveis", tais como logs de acesso, ficam concentrados com uma única organização. Mesmo na arquitetura atual da Internet, em que acessar um serviço implica contar-lhe onde você está e possivelmente outros dados, a situação não é tão ruim se os dados estão espalhados entre vários servidores, o que dificulta sua exploração. (Seu provedor de acesso continua com um bocado de informação, entretanto.)

Por outro lado, uma rede social é mais útil quando um grande número de pessoas a usa; essa é uma vantagem de "todo o mundo" usar o Twitter, ao invés de cada um "roll their own" microblog. Porém, em teoria nada impede que cada um rolle seu own microblog e todos funcionem de maneira integrada, desde que eles usem um protocolo comum de comunicação.

µ.

Conclusão

A conclusão é que talvez eu volte a usar o Twitter no futuro próximo. Ou não.

3 comentários

The tableless table

2013-03-01 23:13 -0300. Tags: comp, web

[Pintura de Hasegawa Tōhaku de um mestre zen prestes a cortar um gato em dois]
Mumon, membro do CSS Working Group

Uma rápida inspeção do código-fonte atual (mas em vias de mudar) das páginas do ~vbuaraujo revelará que eu tenho (ou tinha) o costume questionável de usar TABLEs para layout mais ou menos shamelessly. Meus motivos para isso eram:

De qualquer forma, essa tabela do blog andava me incomodando, em parte porque uma das coisas que eu mais gosto do CSS é a possibilidade de desabilitá-lo (View > Page Style > No Style no Firefox) e ler as páginas como as seqüências de texto que Deus quis que elas fossem, coisa que não é possível quando a página usa TABLEs.*

Recentemente eu descobri uma maravilha do CSS 2.1: é possível usar CSS para instruir o browser a renderizar elementos quaisquer (e.g., DIVs) como tabelas, linhas, células, etc. Assim, migrar de um layout baseado em TABLEs para um baseado em DIVs + CSS é trivial:

<!-- Exemplo com CSS inline; normalmente a coisa decente a se fazer
     é dar IDs aos elementos e estilizá-los com um arquivo CSS externo. -->

<H1>Título</H1>

<DIV STYLE="display: table; width: 100%; table-layout: fixed">
    <DIV STYLE="display: table-row">
        <DIV STYLE="display: table-cell; width: 75%">
            <P>coluna 1
        </DIV>
        <DIV STYLE="display: table-cell: width: 25%">
            <P>coluna 2
        </DIV>
    </DIV>
</DIV>

<P>Rodapé.

No caso de uma tabela com uma única linha, a DIV com display: table-row (equivalente a um <TR>) não é estritamente necessária; o browser cria uma "linha anônima" para conter as células. A propriedade table-layout: fixed indica que a largura das colunas é fixa; o padrão é auto, que permite que a largura das colunas seja reajustada de acordo com o conteúdo das células. Há outros valores possíveis para display relacionados a tabelas; para mais informações, consulte o standard.

_____

* Normalmente eu faço isso quando estou usando uma tela pequena e quero dar zoom em uma página sem que ela transborde para fora da janela ou que uma barra lateral cresça junto com o texto e coma espaço útil da tela.

Comentários

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

comp (114) prog (51) life (44) unix (32) random (27) lang (27) about (24) mind (22) mundane (21) pldesign (20) in-english (19) lisp (17) web (17) ramble (15) img (13) rant (12) privacy (10) scheme (8) freedom (8) lash (7) music (7) esperanto (7) bash (7) academia (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) copyright (5) misc (5) worldly (4) book (4) php (4) latex (4) editor (4) politics (4) etymology (3) wrong (3) android (3) film (3) tour-de-scheme (3) kbd (3) c (3) security (3) emacs (3) network (3) poem (2) cook (2) physics (2) comic (2) llvm (2) treta (2) lows (2) audio (1) wm (1) philosophy (1) kindle (1) pointless (1) perl (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2018 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.