Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

Posts com a tag: philosophy

As flautas do Céu

2019-07-07 02:25 -0300. Tags: philosophy, translation, em-portugues

Esses dias eu traduzi uma passagem do Zhuangzi (a primeira história do segundo capítulo), combinando elementos de diversas traduções para o inglês. Posto-a aqui para a posteridade.

Zi-Qi da Fronteira Sul estava sentado, debruçado sobre sua mesa baixa. Olhou para o céu e exalou lentamente – ausente e distante, como se tivesse perdido sua companhia. Yan Cheng Zi-You, que aguardava de pé diante dele, perguntou: "O que é isso? Pode o corpo tornar-se como madeira seca? Pode a mente tornar-se como cinzas extinguidas? O homem debruçado sobre a mesa agora não é aquele que estava debruçado antes!"

Zi-Qi disse: "Fazes bem em perguntar, Yan. Eu acabo de perder a mim mesmo. Entendes isso? Podes ter ouvido as flautas dos homens, mas não ouviste as flautas da Terra; podes ter ouvido as flautas da Terra, mas não ouviste as flautas do Céu."

Zi-You disse: "Aventuro-me a perguntar o significado disto."

Zi-Qi disse: "A Grande Massa [da natureza] emite um sopro vital, e seu nome é vento. Se ele não sopra, nada acontece; mas quando ele sopra, então as dez mil fendas ressoam ferozmente. Já não o ouviste soprar e soprar? Na floresta de uma montanha que se agita e chacoalha, há imensas árvores de cem palmos de largura com cavidades e aberturas, como narizes, como bocas, como ouvidos, como jarros, como copos, como vasos, como fissuras, como sulcos. O vento que sopra nelas ruge como ondas, assovia como flechas, berra, suspira, grita, ronca, geme, uiva. O vento à frente canta "yiii", o vento que segue canta "wuuu". Uma brisa leve produz uma pequena resposta; um vendaval produz uma grande resposta. E quando a ventania se acalma, a multidão de fendas torna-se vazia. Já não viste esse sacudir, esse chacoalhar?"

Zi-You disse: "As flautas da Terra são estas que acabaste de descrever; as flautas dos homens são tubos de bambu dispostos lado a lado. Aventuro-me a perguntar sobre as flautas do Céu."

Zi-Qi disse: "Os sons do sopro sobre as dez mil coisas são diferentes, mas ele apenas traz à tona as propensões naturais das próprias coisas, cada uma tomando para si o que lhe é apropriado; quem é que as sopra?"

Comentários / Comments

Um teto

2015-04-20 23:05 -0300. Tags: misc, philosophy, em-portugues

Hoje de madrugada eu acordei com algumas cousas na cabeça que não tinham nenhum motivo aparente para estar lá. E foram as seguintes:

Você provavelmente já ouviu a teoria de que a vida na Terra veio de outro planeta. (Ignoremos o fato de que isso não explica absolutamente nada sobre a origem da vida.) Normalmente a idéia é que a vida surgiu em algum outro lugar e se espalhou pelo universo, veio de brinde num asteróide, etc.

Você também já deve ter ouvido a idéia de que nós vivemos dentro de uma simulação. A idéia é freqüentemente motivada pelo fato de que algumas coisas no nosso universo parecem ter comportamento discreto (i.e., "digital").

Mas e se fosse um pouco diferente...

* * *

Imagine que houvesse uma forma de vida inteligente completamente diferente da nossa (não baseada em DNA) em algum canto do universo. Um belo dia, meio que por acaso, os pesquisadores do planeta Xrbna descobrem essas cousas que nós chamamos ácidos nucléicos, aminoácidos, etc. Talvez inicialmente eles tivessem chegado nessas moléculas puramente teoricamente, i.e., alguém estava ponderando sobre "o que aconteceria se eu montasse uma molécula assim assado" e se deu conta de que ela tinha propriedades interessantes. A galera continua brincando com essas entidades, teorica ou fisicamente, mais ou menos como a galera começou a experimentar com configurações de Life nos anos 1970, até que alguém descobre uma configuração particular que é capaz de produzir cópias semi-idênticas de si mesma. Animados (ou o equivalente alienígena de animados), os xrbnanianos resolvem criar versões físicas da molécula e colocá-las em um ou alguns planetas (de preferência bem longe deles) para ver o que acontecia. Em (pelo menos) um desses planetas, ao longo de alguns bilhõezinhos de anos, aconteceu um bocado de coisas.

Now, eu não estou propondo que foi assim que a vida terrestre surgiu, mas eu estou interessado no cenário. Se a vida na Terra tivesse surgido assim:

Agora suponha que nós déssemos um jeito de criar um equivalente físico de Life ou algo similar. Será que em algum ponto esse sistema desenvolveria consciência? Será que nós reconheceríamos a consciência quando a víssemos? Nós seríamos capazes de entender o que se passa na "cabeça" desse sistema? Nós já temos dificuldade de entender o que se passa na cabeça de outras criaturas vivas mais distantes de nós; nós seríamos capazes de entender uma criatura de uma natureza completamente diferente da nossa? Que outras coisas podem ser "conscientes" à nossa volta sem que nós saibamos? Faz sentido usar o termo "consciente" nesse contexto, ou será que haveria outras propriedades tão interessantes quanto consciência nesses sistemas, mas tão diferentes de o que nós chamamos de consciência que esse termo não seria aplicável?

Quais seriam as implicações éticas de "matar" um jogo de Life "gone conscious"? O jogo só é consciente se for implementado fisicamente, ou uma simulação também é consciente? E se a simulação for feita com papel e caneta ao invés de por uma máquina? E se eu escrever uma fórmula fechada f(i) que calcula o estado do jogo para cada iteração i, a fórmula é consciente, ou "contém consciência" de alguma forma? Se não é, por que não? Em que ponto a informação contida na fórmula se torna consciência?

* * *

Esses questionamentos não são nenhuma novidade para os filósofos, e eu já tinha lido coisas similares na vida, mas acho que essa é a primeira vez que eu realmente entendo ("grok") o problema. Acho que é hora de eu ler o Gödel, Escher, Bach de novo.

7 comentários / comments

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (133) prog (65) life (46) in-english (44) unix (33) pldesign (32) lang (31) random (28) about (26) mind (24) lisp (23) mundane (22) web (17) fenius (17) ramble (16) img (13) rant (12) hel (12) scheme (10) privacy (10) freedom (8) academia (7) esperanto (7) copyright (7) music (7) bash (7) lash (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) misc (5) emacs (4) politics (4) book (4) php (4) worldly (4) editor (4) latex (4) etymology (4) android (4) film (3) kbd (3) security (3) network (3) wrong (3) c (3) tour-de-scheme (3) poem (2) philosophy (2) comic (2) llvm (2) cook (2) treta (2) lows (2) physics (2) perl (1) german (1) wm (1) en-esperanto (1) audio (1) translation (1) old-chinese (1) kindle (1) pointless (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2019 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.