Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

You're doing it completely wrong

2015-04-28 22:03 -0300. Tags: comp, prog, wrong, ramble, em-portugues

Encontrei um e-mail de três anos atrás que explica uma das coisas que eu acho que estão "completely wrong" com os ambientes computacionais modernos. O texto era para ter servido de base para um post que nunca foi escrito. Reproduzo-o semi-intacto abaixo. (Fico feliz que a minha visão ainda seja a mesma, mas por outro lado o "plano para os próximos dez mil anos" parece longe de se realizar...)

* * *

From: Vítor De Araújo
To: Carolina Nogueira
Subject: You're doing it completely wrong
Date: Mon, 12 Mar 2012 00:37:18 -0300

[Core dump follows.]

Acho que eu não vou escrever o post tão cedo, então explico agora. O que há de completely wrong é que os programas em execução são "caixas pretas"; em geral um programa é um brinquedo estático, que tu não pode "olhar dentro" e modificar facilmente. Em um mundo ideal tu deveria poder alterar partes de qualquer programa sem ter que recompilar tudo, e de preferência sem sequer ter que fechar e abrir o programa para as mudanças entrarem em efeito.

Exemplo simples: o Pidgin a cada 60 segundos manda um "XMPP ping" pro servidor de XMPP (Jabber), para ver se a conexão ainda está de pé. Se eu quiser mudar de quanto em quanto tempo ele manda o request, ou quanto tempo ele espera por uma resposta, eu tenho que alterar o fonte. Idealmente:

  1. Isso poderia ser (e talvez já seja) uma variavelzinha feliz do programa, que eu deveria poder alterar durante a execução;
  2. Alterar o fonte não deveria ser nenhum grande mistério; o fonte deveria ser facilmente acessível e modificável a partir do programa, e eu deveria poder recompilar uma função ou módulo individual sem ter que recompilar o universo. (Mais de uma vez eu quis mudar coisinhas simples do Pidgin, e.g., eliminar o atalho Ctrl-Up, que bizonhamente exigem alterar o fonte, e falhei miseravelmente em conseguir fazer o troço compilar.)

Além disso, deveria ser fácil desfazer qualquer modificação. Versioning é uma tecnologia muito supimpa dos anos 60 que, como muitas tecnologias supimpas do passado, se perdeu com a popularização de maquininhas pequenas com recursos insuficientes pra suportar a coisa. Hoje em dia temos recursos sobrando, mas a tecnologia caiu no esquecimento.

Exemplo menos simples: o Claws Mail por padrão ordena as mensagens em ordem ascendente de data (da mais antiga pra mais recente), e ele lembra o critério de ordenação por pasta, o que quer dizer que o usuário tem que alterar pra ordem decrescente individualmente pra cada uma das mais de oito mil pastas que há (Inbox, Sent, Queue, Trash, Drafts pra cada mailbox, mais os feeds de RSS). Provavelmente 99.5% das pessoas esperam ordem decrescente por padrão, e provavelmente teria que alterar pouca coisa do código pra mudar o padrão, mas a barreira pra alterar o software é muito grande (baixar fontes, encontrar o trecho de código relevante, se entender com ./configures e bibliotecas da vida, recompilar o mundo, fechar e abrir o programa). Idealmente, eu deveria poder apontar para um menu relacionado com o que eu quero, teclar alguma combinação mágica, e ir parar na função que aquele menu ativa. Daí em diante eu deveria conseguir navegar pelo código até achar o trecho relevante; os nomes de funções e variáveis deveriam funcionar como links (coisa que acho que é possível com a maior parte das IDEs atuais). Tendo achado o dito cujo, eu deveria poder alterar o código, mandar recompilar aquele trecho, e as mudanças se tornarem imediatamente efetivas.

E aparentemente essa utopia toda já existiu, sob o nome de Lisp Machine. Este cara diz:

Within DW, you can move your mouse over any object or subobject that has been displayed, whether or not it was part of any GUI. You get this virtually for free and have to work hard to suppress it if you don't want it. But it doesn't require any special programming.

One of the most common ways to get a foothold in Genera for debugging something is to (1) find a place where the thing you want to use appears visually, (2) click Super-Left to get the object into your hands for read-eval-print, inspection, etc, (3) use (ed (type-of *)) to find its source reliably and with no foreknowledge of what the type is, who wrote the program, what their file conventions were, who loaded it, or any of myriad other things that other systems make me do.

Quer dizer, tu pode pegar um objeto qualquer presente na tela (e praticamente tudo é um objeto, pelo visto), descobrir o tipo/classe dele e mandar editar o código correspondente [(ed (type-of *))]. Eu queria rodar o simulador de Genera aqui pra ver isso funcionando na prática, mas não consegui fazer ele funcionar total... :-(

Enfim, muita tecnologia gloriosa do passado se perdeu. Um dos meus objetivos para os próximos dez mil anos é avançar o estado da arte a o que ele era nos anos 80... :P

Aí o camarada se pergunta: será que faz sentido ter essa tecnologia em um desktop? Será que o "usuário final" tem algum interesse nisso tudo? A resposta é a mesma que se pode dar para justificar a presença de uma linha de comando em um sistema visando o "usuário final" (e.g., Ubuntu, Mac OS):

  1. Mesmo que o usuário final não tenha interesse, se é de ajuda ao desenvolvedor e não prejudica o usuário de maneira alguma, não há por que não ter a feature.
  2. Alguns usuários têm interesse em explorar o funcionamento do sistema e usar as features mais avançadas. Em particular, se a barreira para editar os programas for pequena e for fácil desfazer quaisquer modificações, é bem possível que muito mais gente tenha interesse em bagunçar com os internals das coisas.
  3. Uma coisa muito legal que se vê com Ubuntus da vida é que mesmo um usuário que não saiba usar a linha de comando pode pedir ajuda num fórum e alguém que sabe pode ajudar o cara a resolver um problema que envolva brincar de linha de comando. Da mesma forma, um usuário poderia resolver problemas que envolvessem alterar um programa com a ajuda de pessoinhas em fóruns e afins.

Além de dar todo o poder para os cidadãos infra-vermelhos, o que lembra um pouco as idéias do camarada Alan Kay [1][2], a tendência é que a facilidade de alterar e testar os programas leve a programas mais bem testados, menos bugados e que tendam à perfeição mais rápido. Todos comemora.

Existem mil dificuldades envolvidas na criação de um sistema assim, especialmente se quisermos abandonar o modelo da Lisp Machine de uma máquina mono-usuário em que todos os processos podem tudo, mas isso fica pra outra discussão.

Escrevi bem mais do que eu pretendia. Parece que eu até tenho material para um post... :P

Comentários / Comments (0)

Deixe um comentário / Leave a comment

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (131) prog (64) life (46) in-english (42) unix (33) pldesign (32) lang (31) random (28) about (26) mind (24) lisp (22) mundane (22) web (17) fenius (17) ramble (16) img (13) hel (12) rant (12) privacy (10) scheme (9) freedom (8) lash (7) copyright (7) academia (7) esperanto (7) bash (7) music (7) mestrado (6) shell (6) home (6) conlang (5) misc (5) etymology (4) book (4) worldly (4) php (4) editor (4) latex (4) emacs (4) politics (4) film (3) security (3) kbd (3) network (3) wrong (3) tour-de-scheme (3) c (3) android (3) treta (2) comic (2) poem (2) philosophy (2) cook (2) physics (2) lows (2) llvm (2) old-chinese (1) wm (1) audio (1) german (1) translation (1) perl (1) kindle (1) pointless (1) en-esperanto (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2019 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.