Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

Mail, mail, mail

2015-08-10 23:13 -0300. Tags: comp, rant, life, em-portugues

Como é o causo de quando em quando por aqui (e provavelmente mais quando do que se me apercebe), este post tem o objetivo único e exclusivo de reclamar da vida (com uma e outra informação útil solta, talvez, e meramente incidental). Com este anteaviso, prossigo o relato.

Até agora, o meu cliente de e-mail favorito era o Claws Mail. Agora parando para pensar, faz pelo menos uns 10 anos que eu uso o Claws Mail (quando eu comecei a usá-lo, ele ainda se chamava Sylpheed-Claws), e durante a maior parte desse tempo, eu fui um cliente satisfeito.

Eu sempre preferi manter cópia dos e-mails localmente, então eu baixava os e-mails via POP. (Além disso, no 3G era simplesmente inviável usar IMAP.) Em algum momento no ano passado, o INF resolveu defasar o POP em favor do IMAP. Durante um certo período, o POP simplesmente ficou fora do ar (desconfio que isso não tenha sido intencional). Além disso, o sistema anti-spam, que anteriormente marcava as mensagens como spam adicionando [***SPAM***] ao subject, passou a mover as mensagens para uma pasta Junk, que não vem pelo POP. Como é da natureza dos anti-spams marcar coisas como e-mails de confirmação de inscrição como spam, ficar sem ver essa pasta não era factível. Conclusão: tive que migrar para o IMAP.

Turned out, entretanto, que o suporte ao Claws a manter as pastas de IMAP sempre sincronizadas para uso offline era menos que excelente (e acho que nessa época eu ainda usava 3G), então usar o IMAP da INF diretamente não era viável. Além disso, nesse meio tempo eu comecei a ler e-mail pelo celular, e ter as contas não-sincronizadas no celular e no PC estava meio desagradável. A solução que eu encontrei então foi usar um programinha chamado OfflineIMAP, que permite manter uma mailbox local sincronizada com um servidor IMAP. Diferentemente dos fetchmails da vida, a sincronização do OfflineIMAP é bidirecional: mudanças em qualquer uma das pontas são propagadas para a outra. O problema é que o OfflineIMAP só suporta mailboxes no formato Maildir, e o Claws só suporta mailboxes no formato MH. A solução comumente adotada nessa situação é instalar um servidor IMAP local (eu usei o Dovecot), fazer o OfflineIMAP sincronizar o servidor IMAP remoto com o servidor IMAP local (ao invés de uma pasta Maildir), e apontar o cliente de e-mail para o IMAP local. Deu um trabalhinho, mas consegui.

Um inconveniente disso é que se você quiser atualizar os e-mails manualmente ao invés de esperar o próximo momento de atualização, é necessário mandar um sinal para o processo (pkill -USR1 offlineimap). Outro inconveniente é que o OfflineIMAP não consegue identificar que uma mensagem foi movida para outra pasta; na sincronização, ele deleta a mensagem original na outra ponta e faz upload da mensagem para a pasta nova. A primeira conseqüência disso é que não é possível mover coisas para a pasta Junk localmente, porque o IMAP da INF não aceita fazer uploads de mensagens novas para a pasta Junk, apenas que mensagens de outras pastas sejam movidas para ela. A outra conseqüência é que e-mails grandes movidos localmente precisam ser uploadeados novamente, o que é lento e sujeito ao famoso trancaço da INF, uma doença que afeta todos os serviços da INF (IMAP, POP, HTTP, SSH, you name it) desde absolutamente sempre, em que o servidor da INF esquece da conexão e o upload/download simplesmente trava. Baixar os e-mails por POP via 3G era algo que quase sempre exigia múltiplas tentativas (e como POP não suporta "resumar" o download de uma mensagem, os e-mails de 5MB da lista da graduação com PDFs e fotos de produtos à venda eram algo especialmente lamentável, em particular porque normalmente eu não tinha o menor interesse nos e-mails de 5MB em questão). Bons tempos. Mas o problema ainda persiste, em escala menor, com os uploads desnecessários de mensagens de 5MB do OfflineIMAP. Mas ok, no geral, tudo funciona mais ou menos bem.

O problema é que agora o Claws Mail não estava mais notificando a chegada de mensagens novas. As it happens, a idéia do Claws de o que é uma mensagem nova em uma conta IMAP depende da flag "Recent" mantida pelo servidor; essa flag diz se uma mensagem já foi de alguma forma vista por um cliente. Se uma mensagem não possui essa flag, o Claws não a considera como uma mensagem nova, mesmo que ela esteja não-lida. De certa forma faz sentido, porque se você já abriu a mailbox em um outro aparelho e viu que a mensagem estava lá (mesmo sem tê-la aberto), você já sabe que ela existe e não precisa ser notificado. O problema é que a flag Recent é de inteiro controle do servidor IMAP – ela é removida automaticamente quando uam mensagem é "vista" e um cliente IMAP simplesmente não tem como readicionar a flag –, e o OfflineIMAP, no processo de baixar as mensagens para o servidor local, "vê" a mensagem. Well, fuck.

Na verdade o problema no Claws é pior, porque o Claws não aplica filtros automaticamente a mensagens que não sejam novas. Ok, dá para fazer a filtragem diretamente no servidor, configurando os filtros pelo webmail do serviço. O problema é quando o filtro deveria mover a mensagem para fora da mailbox. Por exemplo, eu tinha uma regra que movia todas as mensagens da CONLANG Mailing List para uma mailbox local (onde eu mantenho todo o archive da lista). Além de não aplicar os filtros a mensagens vistas, o Claws também não aplica filtros a mensagens novas que não estejam na Inbox da mailbox. Isso quer dizer que se eu adiciono um filtro no webmail para mover as mensagens da CONLANG para uma pasta "Conlang", e um filtro local para mover as mensagens novas em "Conlang" para o archive local, o filtro local não funciona.

Eu fiquei convivendo com essa situação assim mesmo por um bom tempo. Há uns meses atrás, eu me irritei com o Claws e fui ver se achava um outro cliente de e-mail que me agradasse. O primeiro que eu tentei foi o Thunderbird, que na ocasião eu não gostei não lembro mais por que razões específicas. No processo de procurar um cliente de e-mail novo eu acabei lembrando do Gnus, que foi o motivo original pelo qual eu acabei começando a usar o Emacs. No fim, eu resolvi parcialmente o meu problema com o Claws comentando fora o teste que limitava os filtros apenas à Inbox, larguei de mão o Gnus, e tudo ficou bem (com o efeito colateral de que eu comecei a usar o Emacs, so: yay). It soon turned out, entretanto, que a versão do RSSyl (o plugin leitor de feeds do Claws) que veio na versão que eu recompilei do Claws estava falhando em atualizar alguns feeds (na verdade ele parecia só estar perdendo um feed específico, o Little Strange World, mas eu não sabia quantos mais ele podia estar perdendo sem eu saber), então eu acabei voltando a usar o Claws pré-compilado do Debian e convivendo com seus defeitos. Era desagradável não ter barulhinho de notificação e ter que mover as mensagens da CONLANG para o archive local manualmente (eu acabei parando de mover), mas estava dando para engolir.

A última gota foi na última sexta-feira. Eu recebi um e-mail no começo da tarde com o subject "Matricula 2015/2 - URGENTE", me informando que eu não havia feito a matrícula nesse semestre e me pedindo para "nos informar uma posição a respeito". Isso me deixou bastante alarmado; eu achei que não era necessário me reinscrever na Dissertação de Mestrado, pois no Trabalho de Graduação na INF o camarada só se inscreve no semestre inicial e não é necessário fazer nada no semestre seguinte para continuar matriculado. Respondi explicando a situação e perguntando o que deveria fazer. Algum tempo depois, responderam-me da secretaria informando que eu deveria realizar a matrícula. A essa altura, entretanto, o período de matrícula já tinha encerrado há uma semana, então não era possível fazer isso pelo Portal do Aluno. Às 17h08 mandei um e-mail perguntando como eu deveria fazer a matrícula, e fui trabalhar no bendito código da minha dissertação. Turns out que às 17h09 tinha vindo uma resposta, perguntando em que disciplinas eu gostaria de me matricular, mas eu só vi isso por volta das 17h45, pois o Claws não notificou. A secretaria fecha às 17h30, o que significa que um problema que eu poderia ter resolvido no mesmo dia só seria resolvido na segunda (at best) por conta da tosquice do meu cliente de e-mail. Just kill me.

Eu passei o resto da sexta-feira tentando resolver o problema dos e-mails novos, e foi então que eu descobri o causo da flag Recent e o fato de que, como ela é controlada pelo servidor, não tem muito o que fazer (talvez haja alguma gambiarra, mas não encontrei). Resolvi então tentar usar o Claws direto com o IMAP da INF e evitar o OfflineIMAP, já que agora eu não uso mais o 3G. O que aconteceu foi algo ainda mais bizarro: algumas mensagens estavam sendo remarcadas como novas depois de já terem sido vistas (mas não lidas). Além disso, as mensagens que estavam sendo filtradas no servidor não estavam sendo marcadas como novas (não sei se porque o Claws considerou que mensagens novas fora da Inbox não eram dignas de serem chamadas de novas, ou se porque o sistema de filtragem no servidor acaba marcando as mensagens como "vistas" como efeito colateral, ou se por algum outro motivo). A essa altura eu enchi o saco do Claws e fui catar um cliente de e-mail novo.

(No processo de tentar figure out os problemas eu descobri uma porção de coisas legais, entretanto; a principal delas é que você pode usar o comando:

openssl s_client -crlf -connect servidor:porta

como uma espécie de netcat para abrir uma conexão SSL, e dar comandos de IMAP via terminal. Por sinal, eu achei bem mais conveniente fazer isso de dentro do Shell mode do Emacs do que por um emulador de terminal. But I digress.)

Thunderbird

Eu resolvi dar uma segunda chance para o Thunderbird/Icedove. And boy is it terrible. Para começar, o Thunderbird não faz a distinção entre mensagens novas e não-lidas que o Claws (quando funciona) faz; não existe um comando para saltar para a próxima mensagem nova, apenas para a próxima não-lida, o que é um problema porque eu tenho o costume de deixar mensagens que requerem atenção futura como não-lidas e não quero desmarcá-las sem querer enquanto leio mensagens novas. By the way, o atalho para ir para a próxima não-lida (N) não funciona quando você não está com uma pasta aberta (se você está na paginazinha da conta, por exemplo).

"Ah, mas você pode marcar as mensagens como 'starred' ao invés de marcar como não-lidas", right? A diferença é que uma pasta com uma mensagem não-lida aparece em negrito e com o número de mensagens não lidas ao lado do nome, o que me chama atenção para o fato de que há alguma pendência ali. Uma pasta com mensagens starred não mostra nenhuma indicação de que contém mensagens starred; o Claws pelo menos mostra um "✓" nos ícones das pastas que contêm mensagens marcadas, o que é bem pouco perceptível no meu tema com fundo preto, mas é melhor que nada. Por falar em tema, diversos elementos da interface do Thunderbird ignoram o meu tema e mostram elementos com cores incompatíveis, seja meramente destoantes do restante, seja com o texto da cor certa e o fundo da cor errada (e.g., branco no fundo cinza). Tudo bem que o meu tema é um arquivo gtkrc hacked together de qualquer jeito cinco anos atrás que eu basicamente nunca mais mexi, mas a maioria dos programas funciona relativamente bem com ele. Anyway.

O programa simplesmente não foi pensado para ser usado com o teclado. Coisas como alternar entre headers completos e simples não possuem um atalho de teclado; para adicionar um atalho, é necessário instalar um addon (!). O atalho do "quick filter" (o equivalente do search do Claws) é Ctrl+Shift+K; no Claws, é /. Aliás, o termo de pesquisa se perde quando se troca de pasta, e não tem histórico; no Claws o termo fica até a caixa ser fechada (com Esc, por exemplo), e ↑/↓ percorrem os últimos termos usados. Navegar pela lista de mensagens com as setas automaticamente seleciona a mensagem para visualização (o que a marca como lida, obviamente); no Claws, isso é configurável. O Claws permite habilitar o comportamento que era o default em aplicativos GTK 1, em que se pode parar sobre um comando de um menu qualquer e pressionar uma tecla para associá-la como atalho para aquele comando; assim, a maioria dos keybindings pode ser facilmente customizada. Alguns elementos da interface do Claws parecem ter sido projetados especificamente para funcionar bem com isso; por exemplo, o menu "Edit > Advanced" da janela de composição de mensagens contém entradas que parecem não fazer muito sentido em um menu, como "Move to beginning of line" e "Delete a word backward", até que você se dá conta de que eles estão ali para que você possa associar as teclas de atalho de sua preferência a esses comandos. Esse é o tipo de atenção a detalhes que torna o Claws totalmente excelente. Eu na verdade fiquei meio chocado com o fato de que um programa da idade do Thunderbird tenha tantos gaps de funcionalidade/usabilidade. Talvez o usuário no público-alvo do Thunderbird tenha expectativas diferentes da interface. I don't know.

On the bright side, o Thunderbird tem um search global por todas as pastas, que o Claws não tem. Além disso, a sincronização do IMAP para uso offline funciona direito. Finalmente, o Enigmail (add-on do Thunderbird para uso de PGP) parece ser fácil de usar. Acho que isso resume o que eu tenho de bom para dizer sobre o Thunderbird.

Ah, right, o problema das notificações: por algum motivo, o Thunderbird também não está mostrando notificações quando chegam mensagens novas (o que me dá alguma esperança de que o problema seja elsewhere e eu consiga corrigi-lo e voltar a usar o Claws), mas pelo menos eu achei um addon que permite adicionar um ícone à systray com o número de mensagens não-lidas em pastas selecionadas, o que resolve parcialmente meu problema. (O Claws também tem um plugin para adicionar um ícone à systray, mas ao invés de mostrar um número ele mostra um ícone não-customizável e horrível de perceber se está indicando a presença de mensagens não-lidas ou não.) A outra "vantagem" do Thunderbird é que eu achei ele tão ruim de usar que eu provavelmente vou continuar procurando outra solução ao invés de me acomodar com os problemas como eu fiz com o Claws por um ano e tanto.

Gnus

And then there is Gnus. Como dito anteriormente, o Gnus foi o que me levou a mexer no Emacs de novo, mas eu acabei largando ele de mão, em parte porque eu achei que tinha resolvido meu problema com o Claws, em parte porque configurar o Gnus é um tanto quanto não-trivial (e aprender a usá-lo também), especialmente para mim que não tinha praticamente nenhuma experiência com o Emacs então. Agora que eu já estou há mais de dois meses usando o Emacs (estou-vos devendo um post sobre isso, por sinal) e já estou relativamente habituado à criatura, acho que está na hora de dar uma segunda chance ao Gnus.

O Gnus é bastante bizarro, na verdade. Ele faz uma porção de coisas que fazem sentido em um news-reader, mas not so much em um mail-reader. Por exemplo, por padrão ele oculta "grupos" (pastas) que não têm mensagens não-lidas, e oculta as mensagens lidas em um grupo. Eu passei o último sábado quebrando a cabeça tentando configurar o dito cujo, e turns out que o problema que eu passei mais tempo tentando resolver era um bug no Gnus (que aparentemente eu vou ter que reportar uma hora, pois não achei nenhuma menção dele na Internet). Fazer ele funcionar com duas contas de e-mail, e escolher a conta apropriada para mandar mensagens dependendo do contexto, salvar a mensagem enviada na pasta apropriada, etc., é algo que eu tenho que olhar com calma como se faz. Pelo menos o conceito do Gnus de uma mensagem vista aparentemente é independente de o que o IMAP acha que foi visto, o que já é um bom começo. Apesar de ser complicado e cheio de bizarrices, eu tenho a sensação de que o Gnus é suficientemente hackable/customizável para eu conseguir fazê-lo fazer o que eu quero (de certa forma isso é meio verdade sobre o Emacs como um todo). Se eu for bem-sucedido, provavelmente vou postar um tutorial de configuração por aqui.

EOF

Well, esse post ficou bem maior do que eu esperava. Mas agora que eu já escrevi, vou publicar e eras isso. Já que você chegou até aqui, leve umas músicas como recompensa.

Comentários / Comments (3)

Bug, 2015-08-11 11:00:57 -0300 #

Eu usava o Claws no note, principalmente quando eu tava em Berlin. Como meu principal uso era para os emails do SecT (departamento da TUB que eu trabalhava), o IMAP era rápido e eficiente. Porém, assim que eu pousei no Brasil, eu me dei conta do problema. A cache dele é uma bosta. Ponto. E eu ainda criei um servidor em Amsterdam, então tu imagina o problemão... Ah sim, e para uma conta na Rússia (don't ask) é pior ainda :-)

Daí eu eventualmente migrei para o Thundebird. Eu tenho usado ele com IMAP para 3 contas de email (trabalho, meu email e email russo) e tem funcionado bem. Trabalhar offline com ele é uma maravilha. E sim, a interface é triste, mas fazer o que? A busca global dele é ótima, mas ele é burro que nem sei nela às vezes. Sei lá. Atualmente eu queria algo que funcionasse tanto no note (Linux) quanto no desktop (Windows), então Thunderbird foi o que sobrou. Não é uma maravilha, tem uns leaks bizarros às vezes, mas eu me viro.

Mas, foda-se, eu só quero mandar um email mesmo :P

E tu já tentou usar text clients? Alpine da vida e tal? :P


Vítor De Araújo, 2015-08-11 13:32:24 -0300 #

Na verdade eu até consegui fazer o cache do Claws funcionar (mostly) nesse fim-de-semana. O procedimento é mais ou menos:

1. Escolhe "Preferences > Miscellaneous > Synchronise offline folders as soon as possible".
2. Dá um clique da direita na pasta principal da conta e abre "Properties".
3. Seleciona "Synchronize for offline use" e a checkbox correspondente na coluna "Apply to subfolders", e dá OK.
4. Clique da direita na pasta again, e "Rebuild folder tree".
5. Espera pra sempre (sem exagero, acho que ele levou uns 40 minutos ou mais pra sincronizar a minha conta da INF. Lá pelos 10 minutos eu pensei em matar o processo porque achei que ele tinha se perdido, mas o tcpdump tava mostrando tráfego, então eu deixei. Não, não dá pra fazer mais nada no programa enquanto ele está sincronizando).

Depois disso o cache ficou funcionando. :P

Quanto a clientes modo texto, eu tentei usar o mutt mas não consegui configurar, nada fazia sentido (eu dava os comandos do help e dizia que o comando não existia), e eu fiquei com preguiça de tentar entender. Não cheguei a testar o Alpine. Por ora minha aposta é no Gnus, que é text-mode o suficiente pro meu gosto. :P


menininha sapateante, 2015-08-11 18:24:00 -0300 #

Yay! Ainda bem que pelo menos cheguei no final (pulei uns dois parágrafos) senão não ia rolar ganhar musiquinha ^^


Deixe um comentário / Leave a comment

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (137) prog (68) in-english (50) life (47) pldesign (35) unix (34) lang (32) random (28) about (27) mind (25) lisp (23) mundane (22) fenius (20) ramble (17) web (17) img (13) rant (12) hel (12) privacy (10) scheme (10) freedom (8) copyright (7) bash (7) music (7) academia (7) lash (7) esperanto (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) emacs (5) misc (5) latex (4) editor (4) book (4) php (4) worldly (4) android (4) politics (4) etymology (4) wrong (3) security (3) tour-de-scheme (3) kbd (3) c (3) film (3) network (3) cook (2) poem (2) physics (2) wm (2) treta (2) philosophy (2) comic (2) lows (2) llvm (2) perl (1) en-esperanto (1) audio (1) old-chinese (1) kindle (1) german (1) pointless (1) translation (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2020 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.