Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

Ver, vir, vier, vim

2013-02-07 03:19 -0200. Tags: lang, em-portugues

Eis algumas observações, perguntas e especulações.

As formas irregulares do futuro do subjuntivo no português do Brasil estão caindo em desuso em geral* (aparentemente ainda mais entre falantes mais jovens, a tal ponto que eu estou quase largando de mão de corrigir crianças quando dizem "quando eu fazer" ao invés de "quando eu fizer", em parte porque eu teria que corrigir as pessoas com quem elas convivem também). Dois verbos, entretanto, se "comportam mal" praticamente universalmente entre falantes de todas as idades e sabores.

O primeiro é o verbo ver, cujo subjuntivo futuro tradicional é vir, mas não sei se já ouvi ser assim usado na linguagem falada. (Por outro lado, frases como "quando ela vir o que eu fiz, vai ficar fula da vida" não me soam lá muito estranhas. (Não tenho certeza, mas acredito que eu praticamente sempre uso vir por escrito e ver quando estou falando, sem me dar conta em nenhum dos casos.))

O segundo verbo, vir, é ainda mais doido. Descontente em apenas fundir o infinitivo com o futuro do subjuntivo, o próprio infinitivo ganhou uma forma nova, vim, produzindo o único verbo da língua portuguesa cujo infinitivo não termina em -r**. Frases como "ele vai vim amanhã" são extremamente comuns, e a forma tradicional, "ele vai vir amanhã", é praticamente unheard of na língua falada.

O verbo vir apresenta (mais) uma peculiaridade, entretanto: tanto vim quanto vier parecem estar em uso corrente como futuro do subjuntivo, e a impressão que eu tenho é de que um mesmo falante alterna entre as duas formas. As perguntas que eu me (e vos) faço são:

  1. Os falantes de fato alternam entre as duas formas no geral?
  2. Em caso afirmativo, há alguma diferença de significado entre as duas formas, ou pelo menos é possível identificar em que contexto cada forma é utilizada?
  3. Há alternância entre outros pares de subjuntivos futuros regulares e irregulares? Os casos em que cada forma é usada são os mesmos de vim/vier?

Eis umas frases para ponderar sobre (em "português brasileiro falado"):

Feedback é mui bem-vindo.

_____

* Com exceção de uns poucos verbos mais freqüentes, tais como ser/for, ter/tiver, dizer/disser, e olhe lá. (Mui interessantemente, essa regularização separa as formas de ser/for e ir/for no futuro do subjuntivo.)

** No português falado, com exceção de pôr e derivados (e olhe lá), os infinitivos regulares (i.e., todos, menos o bendito vim) terminam em vogais tônicas. Desconfio que o vir tenha rejeitado a pronúncia "esperada" por conflito com a forma (eu) vi, e tenha rejeitado manter o -r por pura pirraça. Talvez o -m (a.k.a. consoante nasal genérica que normalmente não tem som de [m] em final de sílaba) seja um resquício do tempo em que esse verbo tinha a forma venir. Se esse é o caso, a pronúncia vim provavelmente é algo bem antigo na língua.

Comentários / Comments (9)

Marcus Aurelius, 2013-02-16 00:38:18 -0200 #

Alternar? Pensei que cada um falasse de um jeito só! Eu sempre uso "vier" (quando é o caso).

O ** condiz com o que eu sempre imaginei (menos a parte do venir, que eu não tinha imaginado)

O futuro do subjuntivo do verbo "ver" no plural (-> virem) me parece perfetamente normal, e pela lógica o singular é "vir", daí sempre dá conflito na minha cabeça: usar o razoavelmente lógico e "certo" "vir", ou evitar confusão de visão com movimento e tascar um baita "quando ver"? Ou trocar por enxergar, olhar, descobrir só porque não consigo decidir? Huahuahua


Vítor De Araújo, 2013-02-17 19:24:08 -0300 #

Pois. Eu não sei ao certo, mas desconfio seriamente de que eu uso uma ou outra forma dependendo do meu humor e da fase da lua. Estava querendo ver se achava algum padrão. Talvez a alternância só ocorra entre as pessoas que usam "vim" como subjuntivo at all.

(As pessoas que usam "vim" como editor de texto também podem se manifestar. :P)

Quanto ao "vim" infinitivo, imagino que 'venir' tenha virado 'vim' basicamente do mesmo jeito que 'veni' virou 'vim', o que chuto eu que tenha sido algo como veni > veĩ > vĩ > vim (cf. pone > põe), sendo que, dependendo do humor do lingüista e do dialeto, vĩ = vim. Para o 'venir', a seqüência deve ter sido algo como venir > veĩr > vĩr, e aí em português "standard" o 'ĩr' perde a nasalisação, e em português não-standard o -r se perde, deixando vĩ > vim. Mas isso é meramente palpite.

E pra mim ver/virem é tão aleatório quanto ver/vir. :P


Vítor De Araújo, 2013-02-17 21:20:20 -0300 #

By the way, hoje eu ouvi minha prima de dez anos dizer (aproximadamente) "da próxima vez que tu _vir_ tu me lembra que aí a gente já compra os ingredientes" (com um [r] perfeitamente audível no "vir" (que deveria ser "vier(es)" em português standard)). Eu me dei conta de que tenho um impulso (mentalmente corrigido antes de falar/escrever) de querer fazer a mesma coisa com certas frases (notavelmente com o penúltimo exemplo da lista ("quanto mais cedo ela vir/vier/vim, melhor"), mas não com os outros). Como se a coisa já não estivesse bizarra o suficiente. :P

(Por outro lado eu às vezes tenho o impulso de querer dizer coisas como "se vouler/voulesse a pena" (cf. houver, souber, couber), então acho que a minha mente é meio perturbada quanto a subjuntivos. :P)


Marcus Aurelius, 2013-02-20 22:32:26 -0300 #

Que vontade de corrigir tua prima, hahahaha.
É que eu sou fã do vier. E também porque esse R no final me indica "fala cuidada" (não-espontânea, ou pelo menos não completamente espontânea). Então se é pra cuidar a fala, que faça direito, né?


Vítor De Araújo, 2013-02-21 04:02:29 -0300 #

Faz sentido. Mas acho que aquele [r] não foi "cuidado"; acho que foi um [r] "natural", que nem o de "pôr". Há mais coisas entre o subjuntivo regular e irregular do que julga nossa vã gramática. :P


Marcus Aurelius, 2013-02-23 02:16:27 -0300 #

Pois é. O chato de línguas é que não basta o "eu gosto assim, eu acho que é assim", os outros também têm que achar o mesmo, hahahahahaha.

Não adianta eu ser fã do "vier" se outros gostam do "vim", não adianta eu tentar manter a ordem que "sim" é "sim" e "não" é "não" quando as pessoas continuamente insistem em dizer "não" quando querem dizer "sim":

http://marcuscf.wordpress.com/2009/07/29/como-me-confundir/

(ou então o totalmente excelente início de explicação: "Sim, não!" ou então aquele ótimo "Aposte! Quem sabe você NÃO ganha 1 milhão?!")


Vítor De Araújo, 2013-02-23 03:19:01 -0300 #

Hahahah, ótimo o verbo "pir". :P

E fiquei rindo aqui com o "quem sabe você não ganha 1 milhão", mas isso me lembrou de uma coisa em francês chamada "ne explétif":

http://french.about.com/od/grammar/a/negation_form_2.htm


John Gamboa, 2013-03-09 16:23:25 -0300 #

Teve um tempo em que fiquei sem internet mês passado e hoje eu me dei conta de que não tinha lido uma montoeira das tuas postagens.

Agora que vi essa do "vir/ver" -- que tinhas comentado lá no meu blog e eu não lembrava de ter visto =O Quiviáji u.u

Tipo... respondendo ali à enquete, olha a seguinte frase (que tu escreveu lá em cima):

Se/quando ela vier/vim, ela nos conta a história.

Eu não sei por quê, mas me soa muito dependente da conjunção ali. Se eu uso "Se", eu me sinto impulsionado a dizer "vier" (ou ao menos tenho essa sensação agora). Se eu uso "Quando" eu digo "vim" certo!

Pensando bem, agora, matutando, imagino que é porque o "se" ali "combina" com o "viesse". Tipo "Se ela viesse [...]". Mas o "quando" não. Sei lá... posso estar falando merda, mas essa é a impressão que eu tenho agora agora. No mais, minha família NUNCA diz "vier" (ou ao menos eu não espero vê-los dizendo-o). Sei lá u.u


Vítor De Araújo, 2013-03-10 17:25:58 -0300 #

Obrigado pelo feedback. Eu estou tentando observar algum padrão por trás disso, mas infelizmente para a minha "pesquisa" esse tipo de frase é menos freqüente do que eu gostaria. :P

Em condições ideais de temperatura e pressão eu tento postar pelo menos duas vezes por semana, embora o ritmo tenha diminuído um pouco pelos últimos tempos. :P


Deixe um comentário / Leave a comment

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (137) prog (68) in-english (50) life (47) pldesign (35) unix (34) lang (32) random (28) about (27) mind (25) lisp (23) mundane (22) fenius (20) ramble (17) web (17) img (13) rant (12) hel (12) privacy (10) scheme (10) freedom (8) copyright (7) bash (7) music (7) academia (7) lash (7) esperanto (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) emacs (5) misc (5) latex (4) editor (4) book (4) php (4) worldly (4) android (4) politics (4) etymology (4) wrong (3) security (3) tour-de-scheme (3) kbd (3) c (3) film (3) network (3) cook (2) poem (2) physics (2) wm (2) treta (2) philosophy (2) comic (2) lows (2) llvm (2) perl (1) en-esperanto (1) audio (1) old-chinese (1) kindle (1) german (1) pointless (1) translation (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2020 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.