Elmord's Magic Valley

Software, lingüística e rock'n'roll. Às vezes em Português, sometimes in English.

Fim do mundo?

2012-05-26 03:53 -0300. Tags: misc, em-portugues

Para a decepção generalizada, o mundo não acaba em 2012, pelo menos não segundo qualquer predição maia.

Os maias usavam dois calendários para a contagem comum de dias, também usados pelos astecas e outros povos mesoamericanos: o Haab' e o Tzolk'in.

O Haab' é um ciclo de 365 dias, divididos em 18 meses de 20 dias, mais cinco "dias sem nome", considerados dias de azar. Os maias tinham conhecimento de que o ano solar é mais longo do que 365 dias, mas não se davam ao trabalho de inserir dias extra no calendário para compensar a diferença; ao invés disso, eles preferiam calcular a divergência na mão quando necessário. (De fato, a estimativa maia, de que 1508 anos do Haab' correspondem a 1507 anos solares, é mais precisa do que a correção do ano bissexto usada no calendário gregoriano.)

O Tzolk'in é formado por um ciclo de 13 dias numerados e um ciclo de 20 dias com nomes próprios. Os dois ciclos andam em paralelo, o que produz 13×20 = 260 combinações diferentes (já que 13 e 20 são coprimos); após 260 dias, as combinações começam a repetir. Por que diabos os mesoamericanos usavam um ciclo de 260 dias é uma boa pergunta. Especulações não faltam; uma delas é de que 260 dias é aproximadamente a duração de uma gestação.

O Haab' e o Tzolk'in andam em paralelo, produzindo um ciclo que se repete a cada mmc(365, 260) = 18980 dias, ou 52 anos do Haab'. Esse ciclo é chamado de "volta do calendário". (Os astecas acreditavam que a cada final de ciclo de 52 anos o mundo corria o risco de acabar, e sacrificavam um camarada para satisfazer os deuses. Na verdade eles sacrificavam um camarada por basicamente qualquer coisa, but I digress.)

Esses calendários são todos cíclicos: eles simplesmente repetem depois de um período de tempo, e portanto não servem para datar eventos históricos. Para isso, os maias usavam um outro calendário, conhecido por Long Count. Similar ao relógio do Unix, o Long Count conta o número de dias desde "a data da criação": 11 de agosto de 3114 a.C. Os maias usavam um sistema de numeração de base 20: a posição menos significativa vale 200 = 1, a segunda 201 = 20, a terceira 202 = 400, etc., e cada dígito varia de 0 a 19. No contexto do calendário, entretanto, fazia-se com que o segundo dígito variasse apenas de 0 a 17, de modo que o peso do terceiro dígito fosse 20×18 = 360, e não 400, aproximando a duração do ano. Costuma-se transcrever as datas separando cada dígito por um ponto. Assim, a data deste post é 12.19.19.7.11:

      12 × 144000
    + 19 × 7200
    + 19 × 360
    +  7 × 20
    + 11 × 1
 ----------------
 1871791 dias desde a "criação"

O que acontece em 2012 é que em 20 de dezembro o calendário atinge o 12.19.19.17.19, e no dia seguinte vira para 13.0.0.0.0. O que, obviamente, representa o fim do mundo. Por quê? Porque dá mais dinheiro assim. Os maias nunca disseram que o mundo acaba ou sofre qualquer mudança no 13.0.0.0.0. De fato, os maias não tinham o hábito de predizer eventos arbitrários para o futuro: as "predições" que se costuma encontrar em monumentos são do tipo: "daqui a 10.11.10.5.8 dias, ocorrerá a 80ª volta do calendário desde a ascenção do camarada X ao poder". Isto é, quando os maias se referem ao futuro, normalmente é por meio de verdades absolutas (com toda certeza ocorrerá a 80ª volta do calendário na data especificada: é um fato matemático). Sendo assim, de onde saiu a idéia de que o 13.0.0.0.0 tem algum significado especial?

As fontes são duas. A primeira é que segundo o mito de criação contido no Popol Vuh, o mundo atual é na verdade a quarta criação; a criação anterior acabou em seu dia 12.19.19.17.19, e foi seguida pelo dia zero da criação atual, que corresponderia ao 13.0.0.0.0 da criação anterior. Daí extrapola-se que os maias acreditavam que a criação atual também terminaria no 12.19.19.17.19, embora isso não esteja dito em lugar nenhum, e embora algumas das "predições" de verdades absolutas dos maias caiam após o 13.0.0.0.0.

A segunda fonte é o monumento 6 em Tortuguero, que contém a única inscrição conhecida sobre o 13.0.0.0.0 da era atual. O texto parece sugerir que em 13.0.0.0.0 um deus descerá, contrariando a norma das predições maias de verdades matemáticas. Ou pelo menos era isso que se achava: analogia com textos com uma estrutura gramatical similar parece indicar que o evento do qual o texto trata é referente ao presente: à época em que o monumento foi erigido.

Logo, não há qualquer evidência de que os maias acreditassem que o mundo viesse a acabar em 2012. Se quisermos fim do mundo, teremos que providenciar nós mesmos.

A conclusão disso tudo é que se a próxima release do Firefox não se chamar Firefox 13.0.0.0.0, eu vou ficar decepcionado.

Comentários / Comments (3)

HCBF, 2012-05-26 15:21:52 -0300 #

Não tinha porque os maias acreditarem que esta criação acabaria, já que a crença dos povos indígenas do México e América Central era de que essa criação foi "a que deu certo", já que os homens desta criação foram feitos de milho, que é o próprio alimento dos deuses. (isso me lembra da frase "somos aquilo que comemos")


Vítor De Araújo, 2012-05-26 18:24:08 -0300 #

Muito bem observado...


Cayo, 2012-05-28 00:34:25 -0300 #

Ano passado teve um fim do mundo também, lembro, mas não foi tão grande quanto o fim do mundo de 1999. A grande questão será 1999 vs. 2012. (E qual vai ser o próximo?)


Deixe um comentário / Leave a comment

Main menu

Posts recentes

Comentários recentes

Tags

em-portugues (213) comp (137) prog (68) in-english (50) life (47) pldesign (35) unix (34) lang (32) random (28) about (27) mind (25) lisp (23) mundane (22) fenius (20) ramble (17) web (17) img (13) rant (12) hel (12) privacy (10) scheme (10) freedom (8) copyright (7) bash (7) music (7) academia (7) lash (7) esperanto (7) home (6) mestrado (6) shell (6) conlang (5) emacs (5) misc (5) latex (4) editor (4) book (4) php (4) worldly (4) android (4) politics (4) etymology (4) wrong (3) security (3) tour-de-scheme (3) kbd (3) c (3) film (3) network (3) cook (2) poem (2) physics (2) wm (2) treta (2) philosophy (2) comic (2) lows (2) llvm (2) perl (1) en-esperanto (1) audio (1) old-chinese (1) kindle (1) german (1) pointless (1) translation (1)

Elsewhere

Quod vide


Copyright © 2010-2020 Vítor De Araújo
O conteúdo deste blog, a menos que de outra forma especificado, pode ser utilizado segundo os termos da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International.

Powered by Blognir.